A Carta de Copas

Um ás de copas pairava sobre sua mão, a superfície gélida da carta parecia conter algo mais além do que realmente era. Claro que ela sabia seu significado, tinha um livro sobre tarô e outras coisas fantásticas que todos acham um belo de um desperdício. Mas achou engraçado ter tirado logo aquela carta, afinal nunca a havia tirado antes.
Significava amor. Que em breve ela iria se apaixonar. Pela primeira vez na vida, achou aquilo uma tremenda besteira. Ela simplesmente não se apaixonava, todos podiam algum dia, ela não. Ninguém podia obrigar a Rainha de Copas a se apaixonar, ela simplesmente abominava qualquer sentimento tão tolo e vil como o amor.
O amor deixava as pessoas fracas, era como uma erva daninha que se fixava no coração, perfurando o âmago com suas raízes indelicadas e rebeldes e que demoravam a sair, mesmo que tentasse arrancá-las a força. E quando finalmente tudo foi retirado, ainda sobravam os buracos que as raízes fizeram, cicatrizes incuráveis e doloridas.
A Rainha de Copas simplesmente pegou a carta e a queimou, jogando na lareira e vendo-a estalar conforme sumia em cinzas. Pronto, acabara a previsão, não havia jeito de se concretizar. Pegou outra carta, esperando que elas dissessem algo mais concreto e que com certeza aconteceria. E lá estava o ás de copas novamente.
Jogou todas as cartas com força na lareira, as deixando queimar rapidamente na lenha que crepitava. Sua respiração ficou mais rápida e ofegante, quando de repente notou uma carta, a última que parecia queimar lentamente: a rainha de copas. De repente o corpo real dela começou a romper em chamas dolorosas, a transformando em apenas cinzas.
A rainha havia sido pega de surpresa, ironicamente não fora as chamas do amor que a abrasaram, era apenas o fogo matinal de sua lareira. Que queimou seu coração de gelo o transformando em algo quente, que alimentaria os sonhos de todos aqueles que sacassem a sua carta. Um significado distante da realidade: uma mulher doce e afetuosa.

4 Comentários:

  1. Gostei, ficou bacana.
    Tens uma escrita gostosa de ler. x]

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus, foi você que escreveu esse pequeno conto?!
    Sério, é simplesmente DEMAIS! Estou fascinada pela narrativa envolvente, o suspense e a escrita impecável!
    Não sei se você já leu O Dia do Coringa, onde cada carta é dita como uma pessoa, apresentando assim várias personalidades e aparências... Uma vez um amigo meu me disse que eu parecia o Às de Copas! Desde então eu gosto da carta!
    Enfim, adorei a história!

    ResponderExcluir
  3. Então, fui eu sim! Eu amo cartas e tarô, então decidi escrever algo sobre isso. Nunca li O Dia do Coringa, mas queria ler muito mesmo, várias pessoas já falaram sobre esse livro. Obrigada *-*

    ResponderExcluir
  4. Nossa, adorei Danny! Deveria transformar em um livro. Eu compraria, com certeza ;)

    ResponderExcluir