O Centésimo em Roma

O Centésimo em Roma conta a história de Publius Desiderius Dolens (esse não é o único nome difícil de decorar), que vem da Germânia para sua cidade natal, Roma. Ele é conhecido como o Carniceiro de Bonna (por ter matado uma vila inteira, incluindo crianças, mulheres e velhos) e sonha em ingressar na Ordem dos Cavaleiros, e finalmente deixar de ser um plebeu miserável. O máximo que ele consegue, é se tornar o chefe da guarda dos urbanicianos, a ralé da polícia local. O prêmio de consolação faz com que Dolens continue tão plebeu quanto antes, e agora suas tarefas são controlar arruaceiros, escoltar figurões a prostíbulos e investigar a morte de um senador da República. Ao que tudo indica, o nobre senador foi assassinado por integrantes da misteriosa seita dos cristãos, fanáticos que cultuam um judeu crucificado.

No começo, o livro me pareceu bastante parado e pensei que não conseguiria ler até o final, mas me enganei (como sempre me engano). Dolens é um dos personagens mais legais que eu já vi, ele não é o tipo de herói modelo, ele é sarcástico, fala palavrão, bota todo mundo para correr, mas mesmo assim possui um bom coração. Ele é a típica pessoa que sonha alto, que quer ser rico, ter um posto e melhorar de vida, mas como a vida é irônica, parece que nada dá certo.

A melhor parte da história, é que ao lê-la, você realmente se sente na Roma Antiga, é como se você acompanhasse os personagens pelas ruas, visitasse cada casa e conhecesse cada um deles. Max Mallmann escreve muito bem, é detalhista e te prende na história que é cheia de humor, pelo incrível que pareça (e eu que pensava que o livro é sério).

Outro personagem que adorei é Quintus Trebellius Nepos (no livro, você encontra vários capítulos escritos por ele, como se fossem trechos de um livro que ele escreveu. O resto é descrito em 3ª pessoa do ponto de vista de Dolens), um dos legionários, ajudante de Dolens e também filho do Senador que foi assassinado. Eu o achei bondoso e do tipo certinho, ele só ficou meio histérico quando tentou se vingar da morte de seu pai, então acabou apelando pela maldade.

Quanto a tal morte do Senador, achei o desfecho bastante sem-graça. Esperava mais, tinha várias hipóteses e todas foram pelo esgoto abaixo de Roma. Mas acho que também, dependendo do ponto de vista, não foi previsível, pelo menos, para mim. Achei que faltou um pouquinho mais de trama na história, algo que te prendesse de verdade, além da morte misteriosa, mesmo assim valeu muito a pena ler o livro, é realmente uma bagagem cultural. Sem falar que adorei as palavras em latim, já que sempre quis aprender esse idioma magnífico.

0 Comentários:

Deixe seu comentário