A Mentira + Solomon Kane

Faz tempo que eu queria assistir A Mentira (chamo mais de Easy A que é o nome em inglês, apesar de o título em portugês fazer o maior sentido) desde que vi o trailer uns meses antes de estreiar nos Estados Unidos. O filme estreiou lá, estreiou no Brasil e só agora consegui baixar e finalmente assistir. A primeira impressão que tive é que A Mentira é a mais nova versão de Garotas Malvadas, não que seja igual, mas lembra um bocado o estilo do filme e também de como uma garota certinha e ruiva acaba com sua reputação.
A linda da Emma Stone (que ganhou minha admiração em Zumbieland) faz Olive, uma garota invisível na escola, que para não passar o fim de semana com os pais estranhos da sua melhor amiga, inventa que saiu com um cara e que havia rolado algo mais. O boato se espalha e ela finalmente é vista, gostando dessa sensação, ela decidi ajudar um garoto gay a ser visto como hétero e finge que também teve relações com ele. Logo a certinha Olive é vista como a vadia da escola e percebe que sua vida se tornou parecida com a heroína do romance “A Letra Escarlate”, Hester Prynne, então passa a usar um A em seu peito (da onde vem o nome Easy A, ou seja, A fácil, trocadilho com a nota escolar dos Estados Unidos) e a ajudar garotos desesperados com suas mentirinhas.
Já li dois livros sobre "as pessoas e seus julgamentos" (vide Oh My Goth e Os 13 Porquês) e agora assisti esse filme, que é praticamente a mesma coisa. Falar é divertido, ainda mais quando se fala de outra pessoa, mas na maioria das vezes, não sabemos as consequência disso. Um boato vira um telefone sem fio, onde cada um aumenta um ponto até que toda a história (que geralmente já é ruim) fica distorcida e pior.
Olive que é totalmente desprezada pelas pessoas da escola e quando finalmente consegue chamar um pouco de atenção, se aproveita disso. O que ela não sabia, é que isso traria problemas a ponto dela chegar a odiar a si mesma por causa das mentiras que se acumulavam. Os pais delas são muito engraçados e meio irresponsáveis, mesmo quando souberam de toda confusão, deram o maior apoio a ela e encararam isso de uma maneira tão boa que ficou um tanto falso. Mas acho que esse apoio foi crucial e bem melhor do que castigos e sermões.
A Mentira vale muito a pena a assistir, não só pelo conteúdo engraçado e divertido, como também vale como ensinamento. Sem falar que as caras e bocas da Emma Stone são o melhor :D



Amo filmes épicos como Senhor dos Anéis, Jasão e os Argonautas, Cruzadas, Tróia e qualquer coisa que tenha espadas, mitologia, guerras e sobrenatural. Por isso fiquei louca quando vi o trailer de Solomo Kane - O Caçador de Demônios e decidi que precisava assistir esse filme! Confesso que esperava mais do filme (acho trailers muito mais emocionantes), o começo foi tão impressionante, mas o desenrolar não chamou muito minha atenção e esperava mais combates e guerras. Sem falar que o enredo foi um tanto clichê.
A história se passa no século XVI, onde Solomon, capitão de um navio, lidera um grupo para atacar um castelo cheio de tesouros. Quando finalmente chegam a tal lugar, ele acaba encontrando a Morte, que veio a mando do Diabo que quer a alma dele. Conseguindo fugir, Solomon se esconde em um monastério e decidi nunca mais matar uma pessoa, para que não seja arrastado para o inferno. Quando ele volta para a Inglaterra, é acolhido por uma família, que por sua culpa é morta, restando apenas a mãe e a filha Meredith, sendo a última sequestrada. O pai de Meredith, antes de morrer, pede a Solomon que resgate sua filha e em troca sua alma seria salva. É aí que começa sua jornada.
Achei até que os efeitos especiais foram muito bons, principalmente os do começo, já o fim ficou um pouco a desejar. Foi tão fácil derrotar o vilão que pensei: "Caramba, por que ele não fez isso antes? Tão fácil", sem falar que a Morte sumiu completamente do enredo e não se ouviu falar mais dela. Mesmo assim, acho que quem curte filmes épicos, vale a pena assistir e eu, particularmente, apesar de todos os pontos negativos, acabei gostando.

Flickr - 101 dias em 1001


EU FIZ UM FLICKR! Precisava contar isso. Sou apaixonada por fotografia e sempre sonhei em ter um flickr onde postaria todas aquelas fotos legais e profissionais. Isso também estava em minha lista de 101 coisas para fazer em 1001 dias. Só que cansei desse sonho e decidi colocá-lo em prática mesmo sabendo que eu não tenho uma câmera profissional ou semi-profissional e que não sei nada de fotografia (mas não é questão de tempo, já que no meu curso de Design Gráfico já começou as aulas).

A primeira coisa que vocês tem que saber é que sou basicamente como a maioria das pessoas que tem Flickr, nada inovador.
A segunda é que a maioria das fotos eu tiro com Macro (para quem não sabe, é quando você tira foto de coisas pequenas, mas elas não saem desfocadas e sim com bastante detalhes).
Terceiro, não importa a câmera que você tem, com ela dá para tirar fotos muito boas.
Quarto, pixels não significam nada, a não ser que você queira ampliar uma foto do tamanho da parede do seu quarto.
Quinto, as fotos são editadas, basicamente é contraste e brilho para melhorar a qualidade.
Sexto, as fotos que eu tiro de "coisas" ficam melhor que as fotos que tiro da minha cara, por isso não vai ter nenhuma minha lá.
Sétimo, estou tendo aulas de fotografia, como disse antes, mas é mais a parte técnica (partes da câmera, iluminação, como revelar foto, etc), ou seja, vou ter que me virar sozinha se quero me aprimorar.

Mesmo assim, apesar de todos os contras, eu fiz um Flickr e está feito. Acho que é um grande passo, porque isso vai me impulsionar a tentar a melhorar e conseguir fotos realmente ótimas, mesmo que seja com uma Sony Cybershot de 7.2 pixels, compacta. Um dia também vou fazer uns posts de fotografia e até posso usar algumas explicações do meu professor do curso, acho que atualmente é um assunto que as pessoas gostam muito!

Quem quiser realmente ver meu Flickr, clique AQUI.


PS: Todas as fotos desse post, são realmente minhas *-*

Juicy Couture no Brasil!


Desde que descobri a Juicy Couture, sou simplesmente louca por essa marca (igual a Forever21). Infelizmente ela só tinha nos Estados Unidos, mesmo assim, valia a pena ficar babando por todas as coisas que ela vendia. Mas esses tempos acabaram, porque ELA FINALMENTE CHEGOU AO BRASIL! Por enquanto, só houve inauguração no Rio de Janeiro, no dia 17 (ouvi rumores de que teria em São Paulo também, tentei procurar alguma confirmação, mas não achei nada). Claro, que como eu imagino, as coisas não serão nada baratas, mas quem sabe, agora não posso ficar dando uma olhada na vitrine, em vez de só em sites?

A imagem acima não é da loja no Rio, é de alguma do EUA, mas, pelas fotos que eu vi em outros blogs da loja brasileira, é quase parecido. A Juicy Couture tem uma identidade visual bastante marcante, mistura um jeito vitoriano com o melhor do mundo girly. Eles vendem de tudo do mais lindo: roupas, jóias, acessórios para seus pets, bolsas e até sapatos.



Vale muito a pena dar uma olhada e torcer para que as lojas abram em outros lugares do Brasil. Por enquanto, estou torcendo para abrir aqui em São Paulo mesmo. Em vez de Breakfast at Tiffany's, vai ser Breakfast at Juicy Couture. Para quem quiser dar uma olhada no link americano da loja, se encontra aqui.

Amor de Perdição


Sou realmente apaixonada por clássicos da literatura (não importando se é brasileira ou portuguesa). Graças as aulas de Literatura, ando descobrindo um bocado de livros interessantes, principalmente os da época do Romantismo, que é minha escola literária favorita. Faz um tempo que minha professora comentou sobre esse livro e contou a história e o desfecho. Mesmo eu sabendo como terminava, estava louca para ler, quando descobri que eu tinha esse livro!

Amor de Perdição conta a história de Simão Botelho, que se apaixona por sua vizinha Teresa de Albuquerque, onde as duas famílias são inimigas. Como o jovem é conhecido por ser rebelde e se meter em várias brigas, o pai de Teresa - além da inimizade - tenta casá-la com seu primo. Com uma história totalmente triste, entre um amor impossível, os dois tentam enfrentar todos os obstáculos para finalmente ficarem juntos.

O começo do livro era um tanto difícil de entender, mas ao decorrer, a história vai melhorando muito ao ponto de você não querer mais largar. Muita gente não gosta de clássicos, por serem velhos e difíceis, mas acho os enredos tão bons, que vencem muitos livros atuais que são extremamente clichês. Sem falar, que o jeito de se escrever antigamente é lindo! As escolhas das palavras são maravilhosas, de uma forma que transpira emoção e sentimentos.

Juro que ao invés de ficar torcendo - apesar de saber o final - para Simão ficar com Teresa, eu torci para que ele ficasse com Mariana. Ela é filha de João da Cruz, um ferreiro que tem uma dívida com o pai de Simão, por isso ajuda-o o tempo todo. Mariana logo se apaixona por Simão e faz de tudo por ele, mas em momento nenhum, pede amor recíproco ou tenta acabar com o romance principal. Como o próprio Simão diz, ela era um anjo e em minha opinião, a personagem que mais se destacou no livro pela dedicação, amor e coragem.

O livro é lindíssimo! Um dos romances mais perfeitos que já li! Indico para todas pessoas, independente de gostarem de clássicos ou não. Nada como páginas velhas e bolorentas para deixar a história melhor ainda.

"Tu virás ter conosco; ser-te-emos irmãos do Céu. O mais puro anjo serás tu... se és deste mundo, irmã; se és deste mundo, Mariana..."

Hurts


Hoje vou apresentar nada menos que uma das minhas bandas favoritas. Hurts é composto por Theo Hutchcraft (o vocalista com uma voz totalmente envolvente) e Adam Anderson o guitarrista. Eles são de Manchester, Inglaterra, e possuem aquele jeito sério, boêmio e antigo, que me lembra aqueles filmes de gangsters e atores misteriosos que ficam fumando o tempo todo em seus carros pretos, antigos e lustrosos. Quando descobri a banda, através de um clipe na TV, logo me apaixonei! As músicas são incríveis, lindas e só de ouvir, você consegue sentir todo o sentimentos que ela passam.

Segue o clipe Wonderful Life, que eu adoro ♥

Melissa Star Wars


Eu sou viciada em Star Wars, já assisti todos os filmes e sempre sonhei em ter um sabre de luz. Um casal que também ama o filme, customizaram Melissas totalmente baseada na saga. Infelizmente, não estão a venda, porque são apenas montagens de como os sapatos seriam, algo que mistura o gosto de mulher por sapatos e o mundo geek. São doze modelos bastante criativos:

C-3PO


Darth Maul


Darth Vader



Estrela da Morte


Guarda Imperial


Jango Fett


Luke Skywalker

Mestre Yoda

R2-D2


Slave Leia


Stromtrooper

As minhas favoritas são a do Darth Maul, Darth Vader (o meu vilão favorito ♥) e a Slave Leia vermelha! E a de vocês?

17 anos

17 anos. Quase com 18 anos. Um pé está praticamente em cima da palavra liberdade e o outro tenta se fixar permanentemente na palavra infância. Nunca tive aquele sonho maluco de “Quando fizer 18 anos, vou cair fora de casa, me encher de piercings e tatuagens, vou poder beber, dirigir...” e mais um monte de coisas que para mim não fazem o menor sentido. Sério, se eu pudesse escolher, teria ficado criança para sempre e acho que ainda sou criança, porque nunca entrei realmente na fase adolescente. A única coisa mais adolescente que faço (além de reclamar um bocadinho e querer ficar no computador o dia inteiro) é gostar de bandas como se fosse a coisa mais importante do mundo.
A verdade é que eu não quero crescer. Não tenho medo de rugas, de pagar as contas, de trabalhar ou de fazer faculdade. Tenho medo de não dar tempo de fazer todas as coisas que planejo, ainda mais agora, que um dia eu estava com quatorze anos e agora... estou com dezessete. Quando eu comecei a crescer e não percebi? Mas não é por isso que vou desvalorizar meus dezessete anos, na verdade, estou até gostando mais dele do que gostei dos meus quinze (não acho nada demais e mágico essa idade) e dos meus dezesseis.
Quando você tem dezessete anos (que é desprezado em comparação aos dezoito) é como receber um presente, você não sabe o que tem dentro, mas sabe que ao abrir, fará toda a diferença. É a idade da caixa mágica, porque só vamos descobrir o que vai acontecer com nossos dezoitos anos depois das nossas escolhas de agora. Que faculdade? O que cursar? Que trabalho escolher? Para que cidade eu vou? O que fazer da vida? Essa é só uma das questões temerosas que temos que responder. Claro que isso pode acontecer em qualquer idade, mas com dezessete anos, isso é uma baita pressão.
Acho que talvez, também seja o ano mais doce e amargo, estamos dando adeus para aquele aluno, que passou sufoco no fim do ano, que estudou com garra ou simplesmente não deu a mínima. Não importa se a escola seja uma tortura, ela foi a nossa segunda casa e onde passamos boa parte da nossa vida. Pensei que não sentiria saudades dela, mas agora, que ela começou esses dias, percebi o quanto gosto da minha escola, onde estudo nada menos e nada mais que doze anos da minha vida. DOZE ANOS.
No fim desse ano, vou ter que dizer adeus a aluna aplicada que gosta de dar uma de Hermione Granger com sua mãozinha esvoaçante, lutando para dizer a resposta ao professor. Vou ter que dar adeus às risadas em grupo, às intrigas, às brincadeiras e também a matérias que eu adoro e outras que vou ficar bem feliz de me livrar. Então é nessa hora que eu paro e penso: “Calma, você só tem dezessete anos” e percebo que nem comecei a vivê-lo direito e que tenho ainda um ano todo para aproveitá-lo.
Pouca me importa os dezoitos anos. Dezessete, talvez você seja o melhor de todos.

*Era para eu ter postado isso no dia do meu aniversário (dia 31 de Janeiro, ou seja, duas semanas atrás), só que fiquei com preguiça. Particularmente, não acho aniversários grande coisa e prefiro passar os meus emm branco do que fazer festas de arromba. Mas 17 anos é 17 anos, então.


Voltas as aulas + Skelanimal


Começou as aulas, para alguns isso é ruim, para outros é bom. Eu estava super bem em minhas férias e não admitia seu término, mas agora que a escola começou, confesso que estou adorando. Estou indo para o terceiro e último ano, ou seja, vou embora do lugar onde vivi praticamente metade da minha vida, já que estou há doze anos na mesma escola.
Para me acompanhar esse ano, escolhi todo o material do Skelanimal, uma marca que amo há três anos desde que descobri. Ano passado, só tinha cadernos deles, esse ano, achei essa mochila linda (eu queria algo diferente, meio descolado e trash), sem falar no fichário, caderno e estojo!


Sem falar, que de brinde ainda veio dois chaveiros lindos! Um do Dax (o cachorrinho rosa) e outro do Jack (o coelhinho). Sim, todos eles tem nome e existem cerca de 33 skelanimals, e não dúvido nada que chegue mais! O meu favorito é o Diego, o morceguinho.


Skelanimal basicamente é uma marca de bichinhos mortos. Sempre adorei caveiras e coisas sombrias, por isso, adorei a ideia. Aqui, no Brasil, finalmente chegou os materiais escolares e as roupas (mas acho que são uma imitação, não a verdadeira). Se você procurar na Galeria do Rock, em eventos de animes e na Liberdade, você encontra um bocado de coisas deles. E se você der uma olhada no site oficial, você encontra a história de cada bichinho e como ele morreu. Nos próximos posts, eu vou traduzi-los e colocar aqui :D

Black Swan - Cisce Negro


Eu já comentei sobre esse filme antes (link aqui), só de ver o trailer e o cartaz, apaixonei-me pela história e estava super ansiosa pela estréia. Finalmente, dia 4 de Fevereiro, o filme estreiou com o nome Cisne Negro. Se você gosta de ballet ou sempre admirou ou simplesmente ama Natalie Portman, Mila Kunis ou Winona Ryder, esse é seu filme.

Natalie Portman faz a personagem certinha e boazinha, que tem 28 anos, mas ainda vive com uma mãe controladora que a trata como se tivesse doze anos. Ela se dedica totalmente ao ballet, principalmente quando vem a chance de ser a solista do Lago dos Cisnes. A história do Lago dos Cisnes é baseado em um conto de fadas alemão, onde Odette é transformada por um feiticeiro em cisne e ela só assume a forma humana de noite. A única forma dela se livrar do feitiço é se um homem virgem amá-la e nunca trai-la. É quando entra o Cisne Negro, Odile, que é a gêmea de Odette que ganha o coraçãos dele, roubando a única esperança da Cisne Branco, que se atira de um penhasco como única forma de se livrar dessa maldição. O diretor vê em Nina (Natalie Portman) apenas o Cisne Branco e quer despertar nela seu lado negro.

Tenho que dizer, que a maior parte do filme, para mim, foi um pouco parado. Eu não conseguia ver Natalie Portman, com sua delicadeza, fazendo o Cisne Negro e tenho que dizer que o final surpreende totalmente. Vale a pena ver o filme inteiro só para ver o final magnífico. Não recomendo o filme para menores (apesar de eu ser menor) porque tem algumas cenas bem explícitas. As partes que contém sangue, são bem leves, mas realmente dão um bocado de aflição.

Mais uma vez, como se não fosse surpresa, Natalie surpreende totalmente com sua atuação. Quando ela dança ballet, pode-se ver toda as emoções que ela sente. Apesar de sua personagem ser a "certinha", ela tem muitos problemas como bulimia e masoquismo (ela se corta), sem falar que as atitudes da mãe dela não ajudam em nada. Sua própria loucura pela perfeição, acabou-a levando direto a esse caminho e não vou mencionar de que maneira. Às vezes o filme chega a ser confuso, por causa das cenas com o Cisne Negro que assombra Nina e suas visões.

Cenário, música, vestimenta, tudo é tão mágico que se você não gosta de ballet e música clássica, com certeza vai repensar um pouco. Fica a dica desse filme incrível, que mereceu todos os dias que ansiei para assisti-lo.

Nova Fanfic: Humanoid Chronicles

Eu nunca comentei de verdade sobre as fanfics que escrevo, já pensei em fazer algum post relacionado a isso, mas acabei desistindo. Dessa vez, vou apresentar a minha mais nova querida fanfic publicada: Humanoid Chronicles. Mas antes, vou falar como tudo começou.
A primeira fanfic que escrevi foi nada mais e nada menos sobre Harry Potter, devo ter escrito umas três e nunca cheguei a publicar, por que na época o único site que eu amava, só aceitava fanfics de maiores (e eu devia ter uns doze anos, o que era um bocado chato). Acabei desistindo de fanfics de HP quando saiu o sétimo livro e todo o mistério foi resolvido, mesmo assim, até hoje tenho vontade de continuar a escrever sobre o fantástico mundo criado por J.K.Rowling.
Foi em 2008 que acabei me deparando com a banda Tokio Hotel (você já deve ter ouvido falar deles) e foi paixão a primeira vista. Naquela época, eu era muito fã de 30 Seconds to Mars e Tokio Hotel acabou desbancando-os e pegando o primeiro lugar em minha prefência, apesar de eu ainda ser totalmente fã dos dois.
O interesse de fanfic sobre bandas surgiu com algumas amigas que gostavam de McFly e viviam falando do McFly Addiction (um site fanfics). Eu não via graça em escrever histórias com seus ídolos, achava um bocado tolo e as fanfics que li naquela época, não me impressionaram a ponto de me voltar para esse tema. Mas como toda fã, eu ficava sonhando o tempo todo com shows e os integrantes, imaginando ideias mirabolantes de como chegar até eles. Foi então que decidi escrever minha primeira fanfic e contar todas essas ideias. E desde então, nunca mais parei.
Hoje, quando vou escrever fanfics, tento inovar o máximo possível para sair daquele maldito clichê (que é a minha primeira fic) de fã encontrando seu ídolo. Em 2008, era muito mais fácil escrever fanfics do Tokio Hotel pelo simples fato de que havia poucas e muitas fãs as procuravam para ler. Hoje, no Nyah Fanfiction, as fanfics de TH praticamente dominam e percebo que a procura é bem menor do que antes e não é nem pela concorrência.

Humanoid Chronicles começou a ser escrita na metade do ano passado e a ideia surgiu de uma fanfic inspirada totalmente nas músicas do novo CD deles, chamado Humanoid. Acabei parando de escrevê-la quando chegou a 17 páginas e nunca mais decidi retomá-la, apesar da ideia ser bastante boa. Foi quando eu estava lendo o livro Histórias de Robôs - Volume 1, que me deparei com um conto que me lembrou um bocado a fanfic que eu estava escrevendo, era "Rex" do escritor Harl Vicent. Aquilo me deu uma tremenda inspiração e decidi voltar a escrevê-la e tudo fluiu tão bem, que a história já está finalizada e tem bastante capítulos.

Sinopse: Ano de 2109: Terremotos, furacões, maremotos, problemas climáticos, fome e guerras arrastam a humanidade direto a extinção. A World Behind my Wall Corporation criou o Projeto Humanoid, que consiste em ajudar humanos com membros e órgãos robóticos, prolongando a vida. Wilhelmine Langebahn é filha do principal cientista do Projeto Humanoid e sofre um acidente, precisando recorrer à tecnologia robótica para sobreviver. Tentando enfrentar uma vida totalmente diferente da de costume, ela é sequestrada pelo principal grupo anti-Humanoid, Dogs Unleashed. No meio de uma conspiração onde nenhum lado está para vítima e sim para vilão, Wilhelmine terá que descobrir que de lado está, além de precisar aceitar um passado que é mais negro que seu presente.

"Não havia mais muita coisa a fazer pelo mundo, tínhamos apenas que torcer para que tudo voltasse ao normal. Os carros de hoje não emitem mais gases tóxicos, a energia em nossas casas vem de energia nuclear - segura, pelo menos espero -, todo o lixo é biodegradável e é totalmente reciclado. Finalmente a humanidade se tocou, mas foi um pouco tarde demais. Realmente chamamos essa época de Reciclagem, não porque fazemos isso o tempo todo, mas é o que o nosso planeta está fazendo conosco. O nosso planeta está se autodestruindo para depois criar algo a partir disso. Gostaria de fazer a mesma coisa comigo, destruir o meu passado e tirar algum proveito disso para o meu futuro. Mas que futuro?".

Sei que a maioria das pessoas que leem o meu blog, não são fãs de Tokio Hotel (em compensação, meu twitter é 90% fã da banda), mesmo assim, várias pessoas que nunca ouviram falar da banda ou simplesmente não gostam, já leram e aprovaram minhas fanfics. Esqueça que Tokio Hotel existe e se aprofunde em uma história onde eles são personagens qualquer. Quem quiser dar uma olhada, eu fiz um trailer da fanfic (acho que dá mais emoção, é).
E quem quiser realmente ler, ou dar uma olhada, aqui está o link. Espero que gostem :)

TPM: Toque Para Mulheres



Já fiz uma quantidade razoável de resenhas sobre livros, mas nunca fiz sobre um site que irá se tornar um livro. TPM: Toque Para Mulheres, é um blog de crônicas sobre o mundo feminino aos olhos de um homem. Foi criado por Edson Rosatto (autor também de "Mansão Klaus e outras histórias", "Curta-metragem – Antologia de microcontos" e "Cem Toques Cravados"). Sempre fui fã de crônicas, adoro ir a consultórios médicos, dentistas e derivados só para poder ler a Veja São Paulo e me divertir ao ler as crônicas de Walcyr Carrasco.

Com o blog, aconteceu mais ou menos isso, me senti no dentista lendo as crônicas que eu tanto gosto. A primeira vez que eu li um post (no Just Lia) de homens falando o que aprovavam e não aprovavam na moda feminina, eu não gostei, por que tudo que eles não aprovavam, eu gostava (o que diabos eles acham que tem de errado com tachas? Eu adoro tachas). Mas depois de continuar lendo os posts do Just Lia, eu comecei a gostar da opinião deles e achei que alguma delas eles tinham razão (afinal cintos da Moschino são muito bregas).

No blog de Edson, ele vai relatando várias situações do mundo feminino e dando sua opinião masculina sobre o assunto, vai desde salto altos até rasteirinhas (que diga-se de passagem eu também odeio, abomino e só uso por falta de opção e por causa desse calor dos infernos), tudo com muito humor e diversão. E tem muita coisa, que querendo ou não, ele vai ter razão e precisamos concordar, além dele dar boas lições sobre como alguns homens pensam em determinadas situações.

Então aqui vai essa dica, para quem gosta de ler crônicas ou simplesmente sabe como o mundo das mulheres é tão complexo a ponto de fazer rir e nos divertir com nossas atitudes que vão de corajosas a tolas.