Como água para chocolate


Tenho uma pilha de cerca de 30 livros para ler e não sei como, acabei escolhendo esse livro dentre todos. Decididamente, esse é um dos livros mais diferentes que já li, nunca vi uma narração como essa tão fantástica e surrealista! Ela mistura acontecimentos normais do cotidiano com situações inusitadas e fantasiosas. E é claro, tudo cheio de paixão à moda mexicana.
A história é sobre Tita, a terceira filha e também a caçula. Desde pequena, ela ama cozinhar e esse dom vai se desenvolvendo e aprimorando por toda sua vida. Tudo muda completamente quando Pedro, o homem que ama, a pede em casamento, mas eles não podem se casar porque a tradição de sua família é que a filha mais nova tem que cuidar de sua mãe até sua morte. Então, Pedro se casa com a irmã mais velha, Rosaura, achando ser a única alternativa para ficar perto de Tita.
Laura Esquivel, a autora do livro, foi quem inaugurou o gênero literário cozinha-ficção, pois cada capítulo é uma receita que completa a história. Para a personagem principal, cozinhar não é apenas cozinhar, é uma forma de expressar suas emoções. Todas as pessoas que provavam de sua comida, sentiam as mesmas coisas que ela, desde tristeza até paixão.
Gostei realmente de Tita e fiquei triste por muitas coisas infelizes terem acontecido com ela. Mesmo assim, ela era forte para superar tudo e aguentou tempo o suficiente até que seus desejos e sonhos fossem realizados. Tenho que comentar que não gostei muito de Pedro, no começo até simpatizava com ele, mas acabei cansando de sua personagem. Eu gostei de John, ele era decente e amoroso e falou uma das frases mais lindas que já li! Em minha opinião, foi um dos personagens que mais se destacou para mim.
Outra coisa que adorei no livro é a cultura. Nunca tinha lido um livro que apresentasse tanto da culinária como os demais costumes. A história é realmente uma novela mexicana, com direito a tramas e problemas complexos que parecem aumentar em vez de diminuir. Realmente não é um livro apenas para ler, mas também para degustar!

PS: Há um filme do livro feito pelo marido da própria escritora de 1992. Ainda não assisti, mas quem se interessar, acho que vale a pena. Tive a impressão ao assistir o trailer que o filme segue a risca o livro.



4 Comentários:

  1. Oi Dasty!
    O filme é muito lindo (vi há uns anos atrás), adoro história que mistura romance e culinária:) Não faço ideia do porque!

    ResponderExcluir
  2. ahhhhhhhhhhhhhhh
    sou doida p/ le desde quando eu li 'Escola dos sabores' e o relacionaram com 'água para chocolate'... eu amei essa mistura e se vc diz que tem todo esse drama à la mexicano no livro, vou gostar ainda mais.
    Agora fiquei curiosa sobre a frase! Tadinha dela, não tem final feliz? *0*
    esse livro é caro? hauahua

    ResponderExcluir
  3. Tenho que dizer que se fosse pela capa do livro não leria o mesmo (sou muito influenciada pela capa, não deveria), mas com sua resenha eu fiquei super curiosa para lê-lo. Nunca tinha ouvido falar dele, mas achei bastante interessante e agora está na minha estante. Ótima resenha!
    Beijos
    http://jovemleitora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Primeiro: Que frase linda! Maravilhosa mesmo, fiquei encantada.
    Já peguei raiva desse tal de Pedro, casar com a irmã da Tita, esse era mesmo o jeito mais simples de ficar perdo dela? Que idiota, odeio esses personagens, fiquei interessada no livro, e toda essa força da Tita pra superar as coisas me deixou encantada, já imagino ela em minha mente. Sinto que seria fácil eu me apaixonar pelo John, do modo que você falou dele, adoro esses personagens que viram foco no meio da história e esbanjam charme/sabedoria. E eu fiquei encantada com esse negócio de cozinha-ficção, nunca tinha ouvido falar desse gênero e o adorei, deve ser mágico ler um livro desses. Adorei essa resenha Dasty e mil obrigadas pelo comentário lá no blog. [insira corações aqui]

    ResponderExcluir