Diário de uma garota nada popular

Eu tinha prometido a mim mesma que não ia tocar nos 16 livros que eu havia ganhado até terminar de ler os 30 pendentes da biblioteca. Mas como eu queria algum livro rapidinho só para eu ler na minha noite de sexta-feira, decidi que Diário de uma garota nada popular seria perfeito para cumprir esse papel. Apesar de aparentar ser grosso, por dentro ele é cheio de desenhos e escrito como se realmente fosse um diário (as folhas possuem linhas e tipografia imitando letra humana), então dá para ler rapidinho.
Ele é voltado mais para pré-adolescentes, porque a personagem principal, Nikki, tem 14 anos, mas nada impede de uma pessoa mais velha ler, já que tenho 17. Por mais que em algumas partes ele aparente ser bobinho, eu achei a história SUPER engraçada e adorei o jeito dramático de Nikki em relação a tudo.
Como eu disse antes, a personagem principal é Nikki e ela ganha uma bolsa em uma escola particular após seu pai dedetizar esta. Então rola todo aquele drama adolescente de mudança de escola, em conseguir novos amigos, descobrir se aquele cara que você gosta também está a fim de você e se tornar finalmente, quem sabe, popular. É lá que ela conhece Mackenzie, uma garota super popular, bonita e rica, que tornará sua vida um inferno.
Como podem ver, é o típico romance adolescente americano que por mais que já estejamos acostumados, sempre é legal rever novamente. A única coisa que eu achei, é que não era Mackenzie que transformava a vida de Nikki em um inferno (apesar dela ter sua parcela de culpa), mas sim a própria Nikki. Sei que ter baixa auto-estima e se comparar a outras pessoas acontece o tempo todo, principalmente nessa idade, mas acho que Nikki não deveria se crucificar tanto por causa disso e impedir que o jeito de Mackenzie a fizesse se sentir menosprezada.
Mas logo Nikki mostra que é incrível, porque ela tem um maravilhoso dom artístico. Ela se inscreve em um Concurso de Artes, no qual Mackenzie também irá participar e mostrará a todos sua capacidade. Sem falar que ela acha duas amigas (que eu me identifiquei muito com elas) que odeiam Educação Física e amam ler! Elas trabalham na Biblioteca ajudando a arrumar os livros e sonham em ir a Semana Nacional de Biblioteca para encontrarem os escritores Stephenie Meyer, Meg Cabot e Rick Riordan. Outra personagem que merece destaque é o garoto por quem Nikki nutre uma queda: Brandon. Ele é fotógrafo e trabalha no jornal da escola e é super legal com Nikki mesmo quando todos estão zoando ela.
Tenho que parabenizar a Editora Verus pela bela diagramação, porque além de o livro ser lindo por dentro, por fora ele é de capa dura e com uma capa super fofa, imitando realmente um diário. Vale muito a pena ler e se divertir com esse chick-lit! :D

O Hobbit

Há um bom tempo, eu tinha o e-book desse livro no computador. Comecei a lê-lo, mas não sei porque diabos nunca terminei já que gostei muito da história (sem falar que eu era viciada nos filmes do Senhor dos Anéis). Finalmente consegui ter esse livro em mãos e voltei a minha leitura, que com certeza continuará bem além de Senhor Anéis, passará por O Silmarillion e os outros livros relacionados ao mundo criado por J. R. R. Tolkien.

A história é sobre Bilbo Bolseiro, um hobbit (para quem não conhece são criaturas com metade da nossa altura, com os pezinhos peludos que vivem em casinhas bonitinhas de portas redondas na terra e adoram conforto, bebidas e um bom caximbo) que odiava aventuras e achava que isso era mal visto. Tudo muda quando ele recebe a visita de Gandalf, um mago, que o apresenta a 13 anões para juntos embarcarem numa aventura. Meio forçado e contra sua vontade, Bilbo os acompanhava e descobre que pode se tornar um herói também, enfrentando diversos perigos e lugares sombrios.
O livro é super fácil de ler (ao contrário de Senhor dos Anéis, que eu achei complicado e cheio de personagens, mas acho que minha opinião não conta, porque eu era pequena quando li e só consegui chegar até a metade do primeiro livro) e apesar de ter bastante personagens, dá para identificá-los facilmente. A história é fantástica, cheia de aventuras, mitologia e as canções que sempre estão presente nos livros de Tolkien e que eu adoro. Só achei que faltou um pouco mais de descrição, já que adoro livros bem detalhados. Mas, para se situar na história, o livro também vem com dois mapas, um no começo e um no final mostrando os lugares por onde Bilbo e os anões passaram.

É nesse primeiro livro que você descobre de onde veio o tão famoso e maligno anel que Bilbo entrega para Frodo em Senhor dos Anéis. Você também conhece Gandalf, o mago cinzento que terá uma grande importância nas continuações e Gollum (ou Sméagol), aquela criaturinha grotesca que também não sumirá tão cedo da série.
E para quem não sabe, O Hobbit em breve terá um filme! Ainda estão tendo as gravações e já saíram algumas fotos incríveis, principalmente dos 13 anões que acompanharam Bilbo em sua jornada! Para quem quiser ver as fotos, basta clicar aqui.

Halloween


Por mais que eu seja um tanto patriota, eu sempre quis que o Brasil tivesse Halloween. Já que eu gosto muito desse lance de macabro e coisas ocultas, então, uma festa toda divertida como essa e recheada de doces seria incrível. Atualmente, há algumas pessoas que comemoram o Halloween, em alguns lugares do Brasil, há crianças batendo de porta em porta pedindo doces (apesar de eu não saber qual o objetivo, já que nenhuma casa vai estar preparada para tal, afinal não é uma festa costumeira). De qualquer forma, os que apreciam a comemoração podem se contar com festinhas a fantasia com os amigos, que, em minha opinião, não é grande coisa comparada ao que acontece nos Estados Unidos (apesar de que, estou aberta para convites de festas de Halloween, HAHA). Então, como provavelmente vou passar meu 31 de Outubro em casa, decidi fazer um post sobre inspirações e também dicas do que você pode fazer também nessa segunda-feira sem emoções e sustos.

1) Doces:



2) Fantasias/Maquiagem:



3) Livros:

Neste livro o leitor conhecerá Raven, uma garota gótica de 16 anos, sempre foi fascinada por vampiros. E quando uma nova família e seu gatíssimo filho dark se mudam para uma mansão abandonada no topo de uma colina, a garota acredita que um beijo do misterioso recém-chegado poderá transformá-la em uma criatura das trevas. Um romance tenebroso e divertido que conta a história de um casal alternativo em uma cidade onde a conformidade reina - mas que pode ter um fim surpreendente!
Li esse livro faz muito tempo, a história é bem light e legal, mas o que me chamou a atenção foi a apresentação do Halloween no livro, fala sobre o costume e também sobre vários doces americanos que sempre vemos nos filmes, mas não conhecemos.

Meg Cabot nos apresenta a vida desta mediadora que tem certa ojeriza a prédios antigos: quanto mais velho um edifício, maiores as probabilidades de alguém ter morrido dentro dele. Filha de um pai-fantasma nada ausente e uma nova família, que inclui um pai adotivo e três irmãos postiços, a história começa com a mudança de Suzannah para uma casa mal-assombrada na ensolarada Califórnia. Só que Jesse não é um espírito qualquer, é um fantasma bonitão que nada faz para assustá-la, muito pelo contrário.
O primeiro livro da minha série favorita, vale a pena ler ela toda. Sou simplesmente viciada na história e nos personagens, principalmente por causa da temática. Nem preciso falar mais nada, não é? Nada como fantasmas para deixar o nosso Halloween muito mais divertido.





Este livro de Rosa Amanda Strausz traz onze contos que fazem qualquer um sentir um friozinho cortante percorrer a espinha. Mas o medo aqui não paralisa, pelo contrário, só faz crescer a vontade de chegar à página seguinte, o que exige fôlego. Um prato cheio para quem curte histórias de terror e mistério - e qual é a criança ou o jovem que não curte? - e um bom começo para os iniciantes neste tipo de literatura. Em 'Sete ossos e uma maldição', não há sangue espirrando nem miolos saltando, como informa de antemão a orelha do livro. Nada explícito ou de mau gosto. Nele, a imaginação do leitor se encarrega de formar as cenas macabras forjadas através de um texto elegante. E é exatamente esse terror sugerido, literatura fantástica da melhor qualidade, que o torna tão atraente.
Adorei esse livro e simplesmente é ótimo para aterrorizar sua noite, já fiz uma resenha sobre ele nesse link.




4) Filmes:

Contos do Dia das Bruxas toma emprestado o mesmo estilo de Creepshow e Tales from the Crypt para apresentar ao espectador toda uma nova gama através de quatro contos intercalados e ambientados na noite de Halloween: o diretor de um colégio desabrocha ao luar como um terrível assassino serial; a jornada de uma jovem virgem por alguém especial tem uma reviravolta extraordinária; um grupo de adolescentes executa uma cruel travessura com consequências desastrosas; e um velho briguento combate um demônio muito disposto a travessuras e gostosuras!
Já assisti esse filme e adorei! Ele pode não ser muito assustador, mas achei bem divertido e tenso, bem ao estilo Halloween.



5) Músicas:





Na minha caixa do correio #1

Não sei se vocês se lembram, mas há um bom tempo eu havia postado sobre um concurso que eu havia ganhado e que o prêmio era 16 livros. E prometi naquele mesmo post que eu iria fazer um vídeo quando eles chegassem. Depois da greve dos correios, de o Youtube decidi upar meu vídeo, finalmente vou poder postar sobre ele. O livro fala principalmente sobre os 15 livros que ganhei da Editora Record e um que ganhei da Editora Verus. Também fala sobre uma coleção de relógios que eu ganhei da Mariner em parceria com o blog Depois dos Quinze.



Primeiro, gostaria de falar que é o primeiro vídeo que faço nesse estilo, ou seja, com certeza não vai ser grande coisa (e o youtube decidiu esculachar com minha cara e deixou a imagem do vídeo parada bem quando eu estava com cara de quem comeu limão e não gostou. Esse tipo de coisa é algo que mais do que previsível). No começo, tive que gravá-lo umas mil vezes porque eu errava ou me perdia, mas logo saiu. Pode parecer que no começo eu tenha decorado alguma fala, mas, na verdade, eu estava nervosa. Às vezes é mais difícil conversar com uma câmera do que com pessoas, é.
Desculpe também pelos cortes no vídeo. É que eu sempre parava porque tinha medo de que continuasse falando e descobrisse que a câmera já tinha parado de filmar. Aos poucos vocês vão vendo que vou me soltando um pouco mais.
Ah, e mil perdões pelos erros que cometi e por eu ter falado a palavra "realmente" pelo menos umas 12428139348434399340 vezes. Juro que percebo que realmente eu escrevo realmente demais, mas não sabia que eu realmente falava realmente o tempo todo. Mas tenho quase certeza que isso foi realmente fruto do nervosismo (haha).
Quanto a minha voz, ela é chata assim mesmo, não liguem.
E sobre os relógios da Mariner, das pulseirinhas que eu ganhei, a que eu mais gostei foi uma de estrelas preto e branco porque é igualzinha a estrela do meu moletom do Tokio Hotel (a estrela é uma tatuagem do vocalista, é praticamente símbolo dele, apesar de não ter sido inventada por ele ou para ele).




Para quem teve curiosidade de saber sobre a maquiagem que me fez ganhar o concurso, não fiquem entusiasmados demais. Juro que ao vivo estava bem melhor, mas quando fui fotografar (porque minha câmera é podre) não parecia nada com a real (a maquiagem era dourada e cheia de brilho, mas nas fotos abaixo parece que ela é meio prata D:). Por isso fiquei muito brava no dia, eu havia me dedicado tanto para que na foto ficasse horrível! Pensei realmente que não fosse ganhar, por isso fiquei um bocado surpreendida.


Espero sinceramente que vocês tenham gostado do vídeo, pretendo fazer mais, mas acho que vai demorar. De qualquer forma, quando der na telha e eu realmente tiver algo importante para falar, eu tento novamente.

A Garota dos Pés de Vidro

Se eu pudesse classificar esse livro, eu o classificaria como um livro perigoso. Isso mesmo. Ao lê-lo, você corre o risco de se envolver demais com uma história fantástica e fantasiosa que parece tão próxima da realidade quanto as coisas simples do nosso cotidiano. Só de começar a ler a sinopse na contracapa, você já fica um tanto abismado, sem entender de fato do que se trata o livro.
“Você acreditaria que há uma criatura que transforma tudo o que olha em branco? Que há corpos de vidros afundados na água do pântano? E vacas do tamanho de insetos, com asas de borboletas? Então ainda não pode enfrentar o que está acontecendo com você”.
Na história, Ida Maclaird também se depara com esse questionamento. Ela é uma exploradora que com pouca idade já viajou o mundo e vivenciou altas aventuras até descobrir que seus pés estavam se tornando vidro. Ela se lembrava de já ter ouvido isso antes de um senhor chamado Henry Fuwa, que morava em uma ilha a qual visitou fazia tempo. Desesperada para encontrar uma cura, ela volta para a ilha e tenta encontrá-lo. Mas ela acaba se deparando com Midas Crook, um fotógrafo melancólico, que adora tirar fotos monocromáticas e sofre com traumas do passado. Junto, os dois tentarão descobrir uma forma de curar Ida e impedir que ela se torne completamente em vidro.
A melhor coisa que tenho a dizer sobre a história é que ela é FANTÁSTICA, SIMPLESMENTE MÁGICA! Por mais que pareça algo bizarro como vacas pequeninas voando ou pessoas virando vidro, Ali Shaw escreve de uma maneira tão bonita e gostosa de ler que parece que tudo é real, que pode acontecer com você. Juro que depois de terminar o livro, dei uma olhada em mim para ver se eu também não estava virando vidro (eu devo ter problemas sério, relevem isso).
Mas, como nem tudo são flores, a história é um bocado triste, só que do jeito que eu gosto. Talvez esse seja o livro que tenha mais personagens complexos e deprimidos que eu já vi. E como meus gostos não são dos mais normais, sempre tenho preferência por personagens nesse estilo. Não preciso nem dizer que Midas tornou-se meu personagem favorito, simplesmente o personagem mais complexo da trama (mas acho que ele não supera o pai na complexidade). Identifiquei-me com ele em diversas partes, era como se eu estivesse lendo, muitas vezes, a descrição da minha personalidade.
Ida, ao meu ver, foi a personagem mais simples e previsível. Eu era capaz de adivinhar toda a personalidade dela, enquanto não acontecia o mesmo com Midas. Mesmo os dois sendo opostos, um completou o outro. A garota aventureira, o garoto anti-social. E desde o começo, você vai desejar que os dois acabem juntos e anseia pelas páginas que mostrem esse desfecho.
Acabei o livro aos prantos. Pensativa com toda a situação mostrada. Talvez, o livro por mais fantasioso que seja, mostre uma metáfora da vida. De como temos pouco tempo e como temos que aproveitar o máximo dos nossos dias, porque pode ser o último. Os personagens são dos mais diversos e você acaba se identificando com o drama de pelo menos um deles.
Juro, que se de fato Hauda’s Land (o lugar onde se passa a história) existisse, eu gostaria muito de visitar e conhecer as vaquinhas voadoras, a criatura que transforma tudo em branco e as perigosas águas-vivas que brilham e mudam de cor.

Inspirações: Modelos alternativas #2

Como MUITA gente realmente gostou do post passado, eu decidi não demorar e continuar postando sobre minhas modelos alternativas favoritas. Espero que gostem também!

1) Triplesix: Modelo gótica que leva realmente a sério o estilo chamado Gótico Industrial (dreads, botas com pelo, vinil e cores neon são alguma das características). Triplesix na verdade se chama Mandee, tem 25 anos e mora em Missouri, Estados Unidos. Ela tem uma loja de cabelos que vende os mesmos dreads que ela usa e passa a maior parte do tempo em shows e tirando fotos loucas, burlescas e sombrias. Outra característica dela é que ela adora usar lentes diferentes em cada olho, geralmente um olho é escuro e o outro claro. Ah, e ela gosta de Tokio Hotel também ♥




Quem quiser conhecer sobre ela, indico seu livejournal.

2) Nephania: Lembram-se da Twiggx do outro post? A Nephania é amiga dela e também trabalha como modelo para a mesma loja. Só que ao contrário da amiga, Nephania usa cabelo vermelho (também já usou rosa). Ela também é da Suécia.






3) Penelope Mint: Uma das minhas favoritas ♥ Acho o rosto e o olhar dela simplesmente incrível. Particularmente eu prefiro ela com o cabelo preto, combina mais, mas atualmente ela está ruiva. A única informação dela que tenho é que é da Alemanha.




O link do blog dela.

4) Susan Coffey: Ela tem 21 anos, nasceu em New Jersey, Estados Unidos e trabalha como modelo. Susan não é tão modelo alternativa (apesar de ter cabelo vermelho), mas ela tem fotos realmente lindas e também trabalha com fotografia. Quem quiser conhecer mais sobre o trabalho dela, basta acessar seu deviantart




Acho que minha cota de modelos alternativas acabou, mas há outro blogs legais sobre moda e estilos variados que vou mostrar para vocês :D E como muita gente realmente gostou do estilo desse post, conforme for conseguindo mais informações, vou postando.