Que venha 2012!


É claro que a maioria das expectativas que eu tinha para 2011 não viraram realidade, mesmo assim, tenho que concordar que comparado a outros anos, 2011 foi decididamente um dos melhores. A coisa mais marcante dele foi simplesmente que eu estava no terceiro ano do Ensino Médio, ou seja, eu estaria abandonando a escola em que estudei durante doze anos, com pessoas que convivi por muito tempo. Por ser o último ano, tenho que dizer que meu querido Terceirão aproveitou exageradamente e da melhor forma possível. Não foram só risadas, como choros e também muitas intrigas, mas tudo terminou da melhor forma possível. E terminamos unidos, isso que importa, porque agora cada um seguirá seu caminho.
Quanto a estudo, fico feliz de finalmente dizer que não só estou formada na minha escola como também no meu curso técnico, ou seja agora sou uma Designer (ou quase haha)! E o pior de 2012 é que muita coisa ainda não está planejada, não sei como ele vai ser, ainda que faculdade fazer e estou esperando alguns resultados para decidir como será minha vida daqui para frente. Essa incerteza é terrível.
Mas outra coisa que vou guardar do meu 2011 decididamente é algumas amizades marcantes, não só da escola, como também do meu curso técnico. Elas foram super especiais para mim e vou sentir muita falta delas e espero sinceramente que a amizade continue existindo entre nós. Esse ano, deixei de ser um pouquinho anti-social e comecei a aprender um pouco o valor das pessoas e como é bom ser incluída. Quanto família, apesar dos trancos e barrancos, acho que foi um ótimo ano. Não sei porque, mas sinto que aos poucos tudo está melhorando e se consertando.

Foto do teatro que o Terceirão apresentou em Outubro

Foto para o nosso TCC

Sem falar que das 101 coisas que eu tenho que fazer em 3 anos, nesse ano eu já fiz 25! O que é praticamente um milagre já que eu pensava que não ia conseguir nem 5 HAHA.
De qualquer forma, desejo aos leitores do meu blog UM ÓTIMO 2012! Talvez ele não seja perfeito e nem todos os dias vão ser felizes, mas se todos os dias fossem felizes, qual seria a graça, não é mesmo? Espero que muito dos seus sonhos se realizem, e se não se realizarem, que 2012 seja o ano da preparação para que 2013 seja o ano da realização, é. E evitem ter tantas expectativas, afinal essa é a única maneira de se surpreender! FELIZ ANO NOVO!

Desabafo McDonald's


Devo ser uma das únicas pessoas desse mundo maluco que quando vai ao McDonald’s e em vez de pedir sua famosa batata-frita, pede salada. Isso mesmo, eu sempre troco a batata-frita por salada e já deve fazer uns quatro anos que tenho esse costume. Tudo começou em uma época remota quando alguns lanches tinham desconto caso você pedisse um conjunto pré-estabelecido, ou seja, se você pedisse um Big Mac, com salada e suco de coco, saía bem mais barato que pedir um normal com coca-cola e batata-frita. Eu como sou fã em não gastar demais, decidi pedir aquela combinação estranha e foi aí que surgiu meu amor pela salada do McDonalds.
É claro que todo mundo acha estranho, afinal para que sair de casa para comer algo e gastar com salada? É que a sala do McDonald’s para mim era fantástica! Apesar de ser compacta, tinha um pouco de tudo, incluindo verdura, legumes (mas acho que só cenoura) e no final, raspas de queijo! E tudo combinava perfeitamente com qualquer escolha do molho que eles disponibilizavam para você.
Lembro que eu amava o molho de tomate seco (sim, parece nojento, mas não tem nem de longe gosto de tomate seco, afinal odeio), mas como fiquei quase dois anos sem comer McDonald’s, quando decidi voltar a ativa e pedir o meu tão gostoso molho descobri que faz tempo que eles não o vendiam.
– Qual molho você vai querer? – perguntou a atendente para mim.
– Tomate seco – eu disse realmente feliz.
– O que? Tomate seco? Mas não existe esse molho!
Como assim? Há dois anos existia! Será que ninguém na face da Terra sabia que um dia existiu molho de tomate seco no McDonald’s? E eu fiz o teste duas vezes, perguntei a outro McDonald’s se tinha o molho de tomate seco e definitivamente ele não existia mais. Então decidi optar pelo molho italian, que em minha opinião, tinha o mesmo gosto do tomate seco. Talvez todos os molhos tivessem o mesmo gosto, só mudavam de nome.
E assim seguiu minha vida com saladas e Big Macs. Nunca pedi salada porque queria emagrecer, afinal é quase impossível quando você come lanches gordurosos logo depois. Sem falar no refrigerante. O negócio é fiquei super feliz que descobri que a salada compacta do McDonald’s aumentara! A única coisa ruim é que não tinha mais raspas de queijo, mas havia aqueles tomatinhos deliciosos em forma de uva que quando você morde estouram com tudo na boca. Quase não senti falta do queijo até pegar o meu tão delicioso molho e descobrir que era azeite. Isso mesmo, azeite. Devia haver algum erro, afinal foi minha mãe que pedira para mim a salada já que eu estava mais preocupada em achar um lugar para sentar em plena semana de Natal.
Tudo bem, bastava eu me dirigir para o balcão novamente e pedir o molho, deve ter sido um engano.
– Por favor, vocês me esqueceram de dar o molho da minha salada – eu disse ao balconista atarefado tentando atender uma multidão de pessoas famintas não só por hambúrgueres, mas por compras de Natal. Gastar, gastar! Era tudo que se podia ouvir naquela sinfonia do restaurante. Estava quase me sentindo ruim por estar participando daquilo.
Ele, rapidamente pegou dois pacotinhos e deu para mim, sem perguntar nem nada qual eu preferia. Foi então que notei que ao invés de eu ter um pacote de azeite, agora tinha três com o acréscimo daqueles dois. Pensei seriamente em jogar os pacotes em alguém, mas decidi que não podia ser tão ruim assim salada só com o azeite. Quem precisa de vinagre? De sal? De tempero? De pimenta? Ou apenas de molho de tomate seco ou italian? Mas era pior do que eu pensava. A salada tinha gosto de salada. Não tinha gosto de algo que podia ser ingerido, de algo que tinha sabor. Eu quase pirei! Sério, como agora eu comeria salada? Quase senti inveja da batata-frita da minha mãe e do meu irmão (apesar de que pedir salada é sempre uma boa tática, eu sempre roubava um pouco de batata dos outros).
Foi então que surgiu a única alternativa viável. Peguei o potinho de ketchup e joguei na salada. Isso mesmo, comi salada com ketchup, não me matem. E não foi tão ruim, afinal sempre gostei muito de ketchup. Mas não era a mesma coisa que os molhos anteriores. E a única coisa que consegui pensar era que em hipótese nenhuma compraria mais a salada do McDonald’s. Não havia raspas de queijo. E não havia molho mais. E talvez fosse isso mesmo, não era a salada que eu gostava, era do molho. E não sei por que, mas acho que comer qualquer coisa no McDonalds’s não vai ter a mesma graça que antes. Não mesmo. Mas o que eu posso fazer? Afinal devo ser a única que gosta de comer salada no McDonald’s e a única que se importa por um dia ter existido molho de tomate seco. Quem vai se importar.


PS: Achei essa imagem acima por coincidência. Realmente o mundo é maluco.

FELIZ NATAL!


Um Feliz Natal para todos que acessam o blog, desde aqueles que comentam até aqueles que passam despercebidos. Espero que não só seu Natal seja mágico, como todos os dias após essa data. Ainda afirmo que meu espírito de Natal está perdido, mas talvez isso não torne tudo menos interessante. E desejo principalmente a vocês que o tédio não bata a sua porta e que se bater, que seja um tédio produtivo. UM COPO DE SPLEEN JUICE PRODUTIVO, POR FAVOR!

Sendo Nikki



Sendo Nikki é o segundo livro de uma trilogia, no qual o primeiro livro, Cabeça de Vento, já foi resenhado aqui antes. Para quem não se lembra da história, é sobre Em Watts, uma garota que sofre um acidente e tem seu cérebro transplantado para o corpo da super modelo Nikki Howard. O primeiro livro da série foi quase, pelo menos para mim, uma introdução da nova vida de Em Watts, não aconteceu nada realmente fantástico (apesar do livro ser muito bom), além de algumas dicas do que possivelmente poderia acontecer nas continuações.
Nesse segundo livro a ação chega com tudo! Como eu suspeitava no primeiro livro, realmente a Stark é uma empresa cheia de conspirações e segredos que poderão levar qualquer pessoa ao túmulo se ela não se calar. E Em está sendo observada pela empresa e precisa descobrir quais os segredos que ela esconde e uma maneira de se ver livre dela. Mas esse é só um dos problemas. Ela recebe a visita do irmão de Nikki, Steven, que está desesperado, pois sua mãe está desaparecida. Em, juntamente com sua amiga Lulu, tentarão ajudá-lo e descobrirão que esse sumiço tem mais a ver com a Stark do que eles pensam.
Outra parte que o livro aborda é sobre a vida escolar de Em/Nikki, que volta para sua antiga escola e tenta se aproximar de Christopher que não faz ideia da troca de corpos e está totalmente acabado com a morte de Em, principalmente depois que ele se dá conta de que esteve apaixonado por ela. Mas Christopher não só está sofrendo uma desilusão como pretende se vingar da Stark juntamente com seu primo Felix, um jovem hacker.
O livro é realmente recheado de ação, com aqueles toques de ficção científica e a vida glamourosa de uma modelo. O final é super emocionante e te deixa com um gostinho de quero mais, por isso não vejo a hora de poder ler o último livro, que infelizmente ainda não foi publicado no Brasil (não que isso me impeça de lê-lo, pois já tenho o PDF no computador HAHA). Então, não percam tempo, leiam essa série maravilhosa da nossa queridíssima Meg Cabot ♥!

O Pequeno Filósofo



Quando eu vi a propaganda desse livro na televisão, fiquei realmente com vontade de lê-lo, pois adoro livros reflexivos no estilo "O Pequeno Príncipe". Fiquei muito surpresa quando recebi do correio um pacote contendo esse livro! Mesmo não sendo endereçado para mim e sim para minha mãe, do próprio Chalita, decidi me apossar dele! (haha)
Na história você se depara com duas personagens. Uma delas é um homem adulto, o qual aos poucos vai contando um pouco de sua vida. Quando jovem, os pais dele foram ausentes, a mãe porque estava doente e o pai porque tinha um caso com outra mulher. Ao crescer, o adulto percebe que vai cometendo erros assim como os seus pais, como não dar atenção a sua mulher e filhos. A outra personagem é o Pequeno Filósofo (uma espécie de Pequeno Príncipe) que faz o adulto se questionar sobre suas atitudes e seu jeito de ser. Os dois embarcam em uma viagem em um trem, onde cada estação há um mundo diferente que é uma metáfora do mundo real. Há pessoas enlameadas, dentro de cúpulas, que machucam umas as outras e que trancam seus corações em cofres.
O livro é curtinho e rápido de ler, assim, como O Pequeno Príncipe, achei a história uma graça! A faixa etária é infantil e infanto-juvenil, mas acho que seria muito bom se adultos lessem também, porque tem um grande foco neles. A história realmente faz você se questionar sobre várias coisas e também sobre nossas ações perante o mundo. Outra coisa que amei no livro é a diagramação feita pela Editora Globo e as ilustrações da Thais Linhares! Realmente é uma história que vale a pena ler!

Um Conto Curto

"Você é uma menina de sucesso!", ele disse. "Posso ver isso em você!".
Então ela olhou-se no espelho e viu uma incógnita.

Wishlist de Natal

Sei que provavelmente não vou ganhar nenhum desses itens a seguir na minha noite de Natal (pois já sei o que realmente vou ganhar), mas adoraria realmente ter alguns desses presentes. Como meu aniversário também está perto, quem sabe esses presentes não venham logo?


1) Circle Lenses: Não, não são lentes comuns, são aquelas lentes asiáticas que deixam seu olho enorme. De preferência, adoraria uma castanha.

2) Nikon D90: Nem preciso dizer que a coisa que mais venho querendo é uma câmera profissional. Não tenho realmente uma preferência por marca, mas acho a Nikon D90 muito amor ♥

3) Box com os livros do Game of Thrones: Desde que assisti a série, estou louca para ler os livros! Adoraria ter todos e viajar no mundo incrível criado por George R. R. Martin.

4) Corset preto: Sou louca por moda vitoriana e sempre quis ter um corset, não só porque acho lindo, mas também para afinar a cintura e melhorar minha postura.

5) Tablet Wacom/Bamboo: Como ando me interessando um bocado por ilustração e estou tentando melhorar, queria muito este tablet que possibilita desenhar mais facilmente.

6) Livro Marina: Sou apaixonada pelos livros de Carlos Ruiz Záfon e preciso desse livro que acabou de sair (no Brasil, porque o livro já é antigo na Espanha)!

Meeting Nacional Lolita

Meeting Nacional Lolita é nada menos e nada mais que um encontrou de Lolitas. Mas afinal o que é Lolita? Não, não é a aquele livro do Nabokov, é um estilo famoso no Japão que cada vez mais vem tomando espaço no Brasil, um estilo, que diga-se de passagem, eu admiro muito. Mas o que se veste? Geralmente as garotas usam vestidos bufantes como os de bonecas, inspirado na época Vitoriana e Rococó. O estilo possui várias vertentes como Sweet Lolita (onde se usam coisas mais fofas e roupas cor-de-rosa ou em cor pastéis), Gothic Lolita (roupas negras), Country Lolita (roupas florais), etc. Cada vertente exige alguma coisa e para o post não ficar grande, depois eu indico vários sites que podem ajudar a entender melhor já que não sou expert no assunto.
Dias 10 e 11/12 (sábado e domingo), houve o Meeting Nacional Lolita, que como eu disse anteriormente é um evento para pessoas que gostam do estilo e também adeptos. Eu ainda não sou adepta, mas pretendo, por isso decidi ir para conhecer melhor e também para conversar com outras pessoas que gostam do estilo também.
Eu cheguei lá por volta das 15h da tarde e como eu ganhei o convite através de um sorteio feito pela loja Le Café (Já disse antes né? Sou super sortuda em sorteios!), não precisei pagar. No começo, me senti realmente envergonhada, porque como eu entrei sozinha no local, eu não conhecia ninguém, não sabia nem o que fazer direito. Mas não demorou muito e logo eu já estava fazendo amizade e conhecendo pessoas que gostavam das mesmas coisas que eu!

A decoração estava fofíssima, toda cor de rosa! Havia ainda doces e eu me deliciei comendo torta de morango. Havia também stands vendendo roupas e acessórios de Lolita e outras que vendiam maquiagem. A única coisa que não gostei é que não seguiram a programação que planejaram, não sei se por causa da chuva, houve atraso de alguém, mas não teve palestra, nem sorteios e nem workshops pelo tempo que fiquei lá. A melhor parte for ter aulas de maquiagem com o stand da maquiagem da Mary Kay. Pude usar os produtos e testá-los e tive que concordar que amei a base deles, muito boa!





Outra coisa legal é que havia realmente um monte de lolitas lá, a grande maioria estava vestida. Dava para ver as diversas vertentes e conhecê-las um pouco melhor. Espero realmente poder um dia me vestir também assim ano que vem!

Agora vou indicar sites que vocês podem conhecer melhor o estilo:
Harajuku Lovers
Ribbon Land
Reino do Morango

Submarine

O meu interesse surgiu por esse filme quando vi algumas cenas dele no Tumblr. Por mais que nenhuma delas me dissesse qual era o nome do filme, com um pouco de pesquisa, logo encontrei. Submarine é um filme britânico do diretor Richard Ayoade (é o primeiro filme dele) com música de Alex Turner dos Arctic Monkeys (que diga-se de passagem, uma banda que nunca gostei muito, mas que amei na trilha sonora do filme).
A história é sobre um garoto de 15 anos chamado Oliver Tate que vive em uma cidade costeira no País de Gales. Ele pode ser caracterizado como um garoto esquisito, meio desprovido de emoções, mas muito inteligente, que é apaixonado por Jordana Bevan, uma garota com casaco vermelho de sua escola. Oliver não só terá que manter seu namoro como também descobrir se seus pais vão se separar e se sua mãe está traindo seu pai.
Parece uma história comum, não é mesmo? Problemas comuns e personagens comuns. Mas, o diretor conseguiu transformar algo normal em incrível! Com umas jogadas meio vintage, estilo britânico, boa trilha sonora e personagens cheios de manias (o que faz lembrar uma versão masculina do filme Amelie Poulain) o filme não só me conquistou totalmente como fez o maior sucesso no Reino Unido. Tenho certeza que há grandes possibilidades de que se torne um filme cult.
E para os bookaholics de plantão, o filme é baseado em um livro que já está a venda no Brasil pela Editora Record! Não vejo a hora de poder lê-lo e conferir se é tão bom também.



E para quem ficou curioso, aqui vai o trailer desse filme que achei totalmente apaixonante. Decididamente está na minha lista de favoritos!