18 anos


18 anos, isso mesmo, meus caros. A idade mais esperada pela maioria das pessoas, mas que para mim é tão comum quanto fazer 15, 16, 17 anos. Na verdade, quando eu tinha menos de 18 anos, eu pensava que ter 18 seria algo bem diferente, do que, por exemplo, ter 12 anos. Mas, sinceramente, dá na mesma, já que me sinto como sempre me senti. Não sou também o tipo de pessoa louca por aniversários, que gosta daquelas festas enormes, regadas a bebidas e comidas. Às vezes, agradeço por passar meu aniversário em casa e em frente ao meu computador ou lendo alguma coisa, porque nessa data tão "especial", até as coisas que normalmente faço, tornam-se especiais. Ainda mais quando seu aniversário cai em plena terça-feira "começo de aula, de trabalho" e não em algum fim de semana que dá para juntar a família e fazer um churrasco só para não passar em branco. Sem falar que aniversário é sinônimo de presentes, sabe o que eu ganhei? Um Ipad!
Mudando de assunto totalmente, outra coisa que eu queria falar é sobre o layout novo, vocês perceberam? haha. Eu pensei em mudá-lo no comecinho de Janeiro, mas como teria que mudar minha bio, entre outras coisas no dia do meu aniversário, decidi fazer isso tudo ontem e hoje. Como podem ver é um layout digno de 12 anos 18 anos. A menininha lá de cima fui eu que desenhei e ilustrei, e o background com os limõezinhos também (pode ser laranja se quiserem, dá quase na mesma). Achei que desse jeito faz mais jus a nome do blog, apesar de que nunca vou conseguir dizer o que de fato Spleen Juice é.  Também alterei as abas lá em cima, o Sobre o blog continha coisas sobre mim, mas decidi separar os dois, acho que fica mais organizado. Sem falar, que dia 23 de Janeiro, o blog fez dois anos, mas como confundi as datas, não postei nada sobre o assunto.
Dois anos. Dezoito anos. Acho que esse ano vai ser o mais estranho de todos, porque não vou mais para a escola e sim para a faculdade. Daqui uma semana estarei cursando Publicidade e Propaganda. Terei que pegar ônibus e metrô até chegar lá, sem falar, que terei que enfrentar uma realidade totalmente nova onde nenhum dos meus amigos do colégio vão estar. Terei que fazer novos amigos e encontrar uma maldita roupa para usar todo dia, já que antes eu usava uniforme (e para ser sincera, é a melhor coisa que existe, já que você não precisa se preocupar com roupas). E quer saber? Eu não poderia estar mais ansiosa, é.


Sei lá, sempre que eu ouço essa música me dá vontade de sair loucamente por aí. Sem falar que acho o clipe uma boa representação da forma inconsequente que as pessoas veem os 18 anos. Tudo bem, talvez isso não seja para mim.

Atualização: Lá estava eu checando meus e-mails, infelizmente depois de eu ter feito esse post, quando me deparei com um do Futureme, que, para quem não conhece, é um site onde você escreve um e-mail e escolhe a data que irá chegar. No meu caso, escolhi o meu aniversário de 18 anos. Eu nem lembrava de ter escrito aquilo, por isso foi uma surpresa. Mas, sério, quando eu li o e-mail, eu quase chorei. Apesar de curto, ele me tocou bastante e é extremamente estranho ler algo que você escreveu há muito tempo, com o objetivo de ser lido pelo eu futuro. Parece que foi escrito por outra pessoa que conhece bastante sua personalidade, mas que trata de si mesmo. Decidi compartilhar com vocês o e-mail (as partes em vermelho são comentários atuais) e também a ideia de vocês fazerem o mesmo, porque, sinceramente, é muito legal.

Querida Dasty-Sama, PARABÉNS! MUITAS FELICIDADES! Você está fazendo 18 anos e já é praticamente maior de idade. Sei que isso não vai mudar muita coisa, mas espero que também não fique tão na mesma.
Espero que, até esse dia, você já saiba se entrou em alguma faculdade (ainda bem que já sei haha), mas se não, você ainda tem tempo. Você vai poder fazer técnico em moda (que já abandonei, porque é tão longe e trabalhoso para chegar até lá, que desisti) enquanto isso, trabalhar ou fazer cursinho, é só não desistir.
Talvez, quem sabe, você já comece a andar de ônibus (parece comum para a maioria das pessoas, mas eu raramente ando de ônibus ou metrô. Por coincidência, nessas férias andei demais, tanto que já perdi todo aquele medo de andar sozinha. Olha só, estou aprendendo algumas coisas). Talvez até tenha publicado um livro (espero realmente que sim) (Desculpe te decepcionar Eu Passado, mas não publiquei. Mas não é questão de tempo). Talvez até tenha melhorado suas ilustrações e logo possa trabalhar com isso (Sim, estou melhorando! HÁ). Talvez você até possa ter se tornado uma pessoa reconhecida (Não).
Sei que estou colocando muitas esperanças e talvez nada mude, mas quem sabe eu não me surpreenda? Só nunca esqueça que você é realmente capaz de fazer muita coisa, eu sei disso porque simplesmente sou você. Sei que é capaz de ir muito além, ainda mais com 18 anos, onde a vida começa. (Gente, essa parte é realmente fofa! De onde diabos eu tirei isso?)
Espero que até lá, tenhamos realizados muitos sonhos nossos. Se não, ainda vamos realizá-los.
Parabéns novamente e seja feliz :D

Runaway


Como eu estava simplesmente louca para ler o último livro da Série Cabeça de Vento da Meg Cabot, não hesitei em baixar o PDF já que infelizmente o terceiro livro ainda não foi publicado no Brasil. O segundo livro terminou de uma maneira tão “final de episódio de novela”, que era impossível não querer ler a continuação, ainda mais com todo aquele tema de conspiração com ficção científica. Para quem quiser ler as resenhas anteriores, segue o link do primeiro livro e do segundo.
Para quem não sabe, a história é sobre uma garota chamada Em Watts que sofre um acidente e tem seu cérebro transplantado para o corpo da super modelo Nikki Howard. O primeiro livro da série é uma espécie de introdução da nova vida que Em terá que levar e o segundo livro mostra que nem tudo são flores, afinal todo esse acontecimento faz parte de uma baita conspiração da empresa Starks Corporation (o que me fez lembrar um bocado uma fanfic que eu escrevi ano passado).
Quando eu comecei a ler o terceiro livro pensei que a continuação seria recheada de adrenalina, tiros, fugas (afinal o título Runaway significa A Fugitiva) e mais conspirações, porém não foi nada disso, o que me deixou um tanto decepcionada. O livro novamente ficou mais falando da vida da Em como super modelo do que mostrar cenas de ação.
E tenho que comentar que achei Em tão chata nos primeiros capítulos, apenas lamentando sua situação e todos os seus problemas com seu amado Christopher, sem falar que ela fazia tanta coisa idiota nesse livro. Já o mocinho da história (o Christopher), pela primeira vez em um livro escrito da Meg Cabot, não chamou minha atenção.
Não vou dizer que Runaway não valha à pena, porque vale sim! O livro ainda tem aquela trama assustadora da troca de cérebros e tem um pouco de ação (mas é pouca), sem falar que muitos dos personagens são realmente cativantes, como a melhor amiga de Em, a Lulu. E o final foi tão lindo que você não se arrepende nenhum um pouco de ter lido e até esquece que a história não foi como você pensava.
Fico feliz de terminado mais uma série da Meg Cabot, minha autora favorita, e tenho que dizer que realmente amei os três livros e que com certeza vou relê-los como acontece com Mediadora todo o tempo. Quando Runaway chegar ao Brasil, vai ser mais um livro que terei em minha estante para fazer companhia a Cabeça de Vento e Sendo Nikki.

Dia Frampton - Walk Away

Enquanto eu lia o livro, essa música não saía da minha cabeça, talvez pelo fato de que a parte mais viciante é quando ela diz Runaway várias vezes. De qualquer forma, li a letra da música e achei que combina perfeitamente com o livro.

Paradise Kiss



“Com maquiagem e um vestido bonito, uma menina renasce mais e mais. Roupas bonitas dão às pessoas coragem e confiança. É por isso que nós as fazemos. Talvez com o vestido que fizemos... a coragem vai surgir como mágica em você”.

“Não é talento, é desejo. Se você quiser, você vai conseguir. Nada acontece a menos que você acredite em si mesmo”.


É com essas duas frases que eu inicio esse post sobre o live action Paradise Kiss. Live Action para quem não sabe é quando se usa atores de verdade em vez de fazer uma animação. Geralmente se usa esse termo quando fazem uma versão de um anime com atores reais e foi o que aconteceu com Paradise Kiss. Eu nunca me interessei muito pelo anime, mas quando vi que saiu o live action (talvez por causa da minha vibe de doramas), fiquei com imensa vontade de assistir.
O filme tem quase duas horas e foi feita pela Warner Bros do Japão (é, eu também não sabia que existia uma lá), por isso, vai lembrar vagamente os filmes americanos (tanto que parte dele se passa nos Estados Unidos) e sem muito daqueles exageros nas ações e caretas dos atores como acontece em doramas.


A história é sobre Hayasaka Yukari, que tem 17 anos e se dedica o máximo possível para ir a uma ótima universidade, principalmente por causa da sua mãe extremamente rígida. Certo dia, um cara estranho acaba parando-a no meio da rua e com a ajuda de uma mulher (que não é mulher), acabam levando-a para um lugar estranho. Lá, Yukari conhece o Paradise Kiss, um ateliê de moda organizado por um grupo de estudantes da famosa faculdade Yazawa Gakuen. Eles estão à procura de uma modelo perfeita para desfilar em uma espécie de trabalho de conclusão do curso promovido pela faculdade que consiste em um desfile. O grupo é formado por quatro pessoas: George, o estilista misterioso, talentoso e durão, Arashi e sua namorada fofa Miwako e o travesti Isabella (sei que aqui no Brasil geralmente rola a maior zoação, mas no Japão é super comum, até indico esse link para quem quiser saber mais).


Yukari é uma garota que sempre pensou que soubesse o que de fato queria para sua vida. Todo mundo sabe a fama dos japoneses de serem estudiosos e é realmente verdade. No Japão, desde cedo eles fazem provas para entrarem nas melhores escolas. Yukari aos cinco anos fez uma e falhou, deixando sua mãe transtornada. Esse trauma a acompanhou por um bom tempo e foi o que impulsionou toda a dedicação exagerada aos estudos. Quando ela encontra o Paradise Kiss, ela começa a se questionar quanto a isso. No começo ela realmente repudia a ideia de ser modelo, mas aos poucos começa a se interessar.
O filme é realmente incrível! Ele mostra outro lado da moda que muita gente desconhece por pensar que é apenas fútil ou superficial. Através dos personagens do ateliê você verá como isso é importante para eles e como mudou suas vidas, sem falar que é tão incrível como qualquer outro dom artístico. Todos os personagens são realmente cativantes e você acabará gostando de todos, sem falar no romance fofo que acontece no filme.
Não me arrependo em nenhum momento de ter baixado o filme, pois ele é muito bom e você nem vê a hora passar. Por mais que tenha duas horas, tudo é tão rápido que  parece até ter menos. Sem falar na trilha sonora, nem acreditei quando percebi que duas das músicas eram da minha cantora japonesa favorita, a Yui! Agora deixo para vocês o trailer do filme.



Atualização: Esqueci de colocar o link para download! É esse aqui. Espero que consigam baixar, porque com esse negócio do SOPA, vários links estão sendo excluídos ): Por sorte, consegui baixar antes dessa baboseira toda.

Formatura


Ontem, dia 21/01/12, finalmente foi minha formatura do Ensino Médio! Eu realmente fiquei esperando um bom tempo por esse dia, mas juro que quando deu meia-noite, algo dizia-me que algo iria dar errado. Eu possuo um sexto sentido bastante aguçado, por isso esperei temerosa pelo que estava para vir ou tentando ignorar a sensação de mau agouro. O que eu não sabia é que isso aconteceria antes do baile e não nele.
Lá estava eu na cabeleireira, tentando explicar que penteado eu queria. Do meu ponto de vista, parecia algo bastante fácil. Eu queria um topetinho mínimo na parte de trás da minha cabeça, uma franja longa e um cabelo enrolado e volumoso, mais ou menos baseado no estilo japonês hime gyaru só que SEM O EXAGERO.

Desenho do meu Sketchbook (depois eu falo mais sobre ele aqui no blog)

Porém, o cabelo que eu planejara, nem de longe ficou como eu queria.


Quando eu olhei-me no espelho e vi o estado do meu cabelo, sinceramente, eu quase chorei. ESTAVA HORRÍVEL! As cabeleireiras encheram tanto o meu cabelo de laquê que ele ficara super duro e mesmo eu dizendo que não estava gostando, elas afirmavam que tinha jeito de arrumar. A única alternativa que encontrei foi lavar ele novamente e acreditar que elas conseguiriam fazer o que eu queria ou algo decente, pelo menos. Foi, então, que a cabeleireira sugeriu fazer algo que ela achava bonito, o que eu achei realmente idiota, afinal ela fez algo bem próximo do eu queria anteriormente e tentei explicar. Sério, foi terrível, quase pensei em desistir da formatura, mas só de pensar o tanto que gastei com vestido, convites, etc, percebi que não valeria a pena.






No final meu cabelo acabou ficando assim (infelizmente esqueci de tirar foto de como ele ficou atrás, porque tinha uns arranjos :|)


Os acessórios foram todos dourados (brincos, pulseiras, unhas e sapatos). O que combinou perfeitamente com meu vestido vermelho estilo sereia (vermelho foi a cor que nós do 3º ano escolhemos).


Quanto ao baile, tenho que dizer que não me arrependi de ter ido, pois foi super divertido. Foi muito bom reencontrar os amigos e dançar com eles as músicas que uma banda muito boa tocou. Queria dar mais detalhes, mas acho que vou esperar as fotos chegarem, pois não podia levar câmera dentro do salão ): O baile era o restinho que sobrara de 2011, agora, acho que estou preparada para 2012. Vamos ver o que me espera.

You're Beautiful


Para quem não sabe, You're Beautiful é um dorama (ou drama) coreano. Não é a primeira vez que já comentei sobre doramas aqui no blog, fiz um post logo no início sobre um dorama japonês que simplesmente AMEI, que foi Zettai Kareshi. Antes que você pense ou tenha preconceito com algo exótico como séries japonesas ou coreanas, digo que é para repensar mil vezes. Eu também não botava muita fé em doramas, mas depois de assistir alguns, digo que é muito melhor que muita série americana por aí cheia de clichês e futilidades. E eu MEGO INDICO esse dorama para quem gosta de bandas, ou é mega fã de alguma, não tem como não lembrar de sua banda favorita enquanto assiste.


Mas afinal, do que se trata esse dorama? A história é sobre uma noviça chamada Go Mi-Nyu que está planejando finalmente se tornar uma freira. Um dia, um homem estranho vai até a igreja onde ela vive e fala que precisa de sua ajuda. Ele diz que seu irmão gêmeo, Go Mi Nam, conseguiu realizar seu sonho de ser cantor, pois irá entrar em uma das bandas mais famosas da Coréia, a A.N.Jell, porém, ele sofreu um acidente e precisa assinar o contrato, mas está incapacitado para tal. Para resolver a situação, Mi-Nyu deve fingir que é seu irmão APENAS para assinar o contrato, o problema é que chega a notícia que Go Mi Nam só irá ficar bom em um mês e ela precisará ficar em seu lugar durante esse tempo. Mi-Nyu agora irá enfrentar diversos problemas, terá que conviver com os integrantes da banda e tentar não ser descoberta até toda a situação ser resolvida.


São os três integrantes da banda que realmente prendem sua atenção. Primeiro, o vocalista Hwang Tae Kyung (o de franja preta na foto), ele é seco, rude, mandão, tem mania de limpeza, odeia que toquem nele, faz caras e bocas e não dá a mínima para ninguém. É o primeiro a importunar Mi-Nyu e não gostar dela, mas aos poucos vamos conhecendo o seu lado mais gentil. Confesso que no começo não gostava muito dele, mas aos poucos se tornou decididamente o meu favorito! Sem falar que achei o ator dele uma graça HAHA
O segundo integrante é Kang Shin Woo (o outro moreno), ele é super gentil e doce, trata Mi-Nyu super bem e faz de tudo para ajudá-la. Por mais que tenha muito a elogiá-lo, confesso que dos integrantes foi o que menos chamou minha atenção. Achei que às vezes ele era bem chatinho.
E por último, Jeremy (o loiro), o integrante MEGA ENGRAÇADO, que ama festas e tem uma labrador chamada Jolie. Com certeza você irá ADORÁ-LO! Ele é um dos melhores personagens em minha opinião e o que mais vai arrancar risadas.


Há outros personagens que merecem destaques, mas vou deixar para que descubra quando assistir. You're Beautiful é um romance água com açúcar, CHEIO de momentos engraçados. Se você não terminar um episódio chorando de rir, vai terminar chorando mesmo por chorar, porque possui um bocado de cenas emocionantes. Só não fique esperando demais de algumas cenas, porque raramente vai acontecer algo que você esperava. Não estou dizendo que será surpreendido, é que algumas cenas eu esperava um pouco mais, sabe? Esse foi um dos pontos fracos, mas quer saber de um ponto forte? A trilha sonora! Ela É INCRÍVEL (estou totalmente viciada), são músicas da própria banda que deixam tudo muito emocionante. Não precisa gostar de coreano para perceber o quanto são lindas.
Para quem quiser baixar e conhecer, indico esse site, foi aí que baixei todos os episódios. Decididamente vou baixar outros doramas, principalmente com os atores deste.
E para quem quiser ter uma palhinha, vou deixar as duas músicas mais lindas!


A.N.Jell - Still as Ever


Jang Geun Seuk - Without Words

Vestidos de Formatura


Sei que parece que estou atrasada, mas na verdade o baile de formatura do meu terceiro ano do Ensino Médio só será no final de Janeiro (a colação já foi em Dezembro), por isso tive que enfrentar o desafio de achar algum vestido que eu goste. Sou a pior pessoa do universo para se comprar roupas porque quase nunca acho algo que gosto. Como sou criteriosa e tenho um gosto meio exótico, às vezes é difícil achar roupas, tornando-me o terror das vendedoras já que se gosto de 10% de uma loja é muito. Mas é claro que tem suas exceções.
Decidi primeiramente ver para alugar. E é claro, como previsto iria sair caro. Por isso decidi ir ao paraíso dos vestidos, mais conhecido como a Rua José Paulino, no Bom Retiro. Eu já comprei antigamente um vestido lá, mas não fui muito fã porque a maioria das lojas são atacados (ou seja, você tem que comprar um monte de peças e não uma única) e segundo porque a maioria das lojas não tem provadores e os vendedores só deixam você experimentar por cima da roupa. Ou seja, o tal Paraíso dos vestidos nem é tão paraíso se você for ver.
Por isso, tome cuidado quando for lá. Aqui vão algumas dicas:

1) Em hipótese nenhuma compre um vestido sem ter certeza que ele caiba em seu corpo, mesmo que ao provar por cima da roupa ele pareça perfeito. Há vestidos que dão um alívio quando o zíper fecha nas costas, mas muitas vezes eles ficam largos na cintura ou no busto. Depois será uma dor de cabeça para ajustar e pode sair até caro.
2) Se achar um vestido barato, desconfie um pouco. Dê uma olhada na costura e veja se não tem fiozinhos saindo, muitos dos vestidos são mal costurados, o que pode ocasionar futuros rasgos. Encontrei lá, por exemplo, um corpete de pedrinhas tão mal costurado que ao primeiro toque brusco tenho certeza que as pedrinhas voariam longe.
3) Leve o sapato que pretende usar no dia da festa. Assim será mais fácil de saber se precisa ou não fazer a barra do vestido. Dê preferência para vestidos que a barra está de acordo com sua altura, porque a maioria das lojas não faz ajustes e se você levar para uma costureira particular, pode ficar caro.

Eu dei uma olhada bem por cima dessa vez na José Paulino, porque graças a dica de uma amiga, conheci um shopping de vestidos chamado Feira do Vestido de Festa que fica na Rua Júlio Conceição, nº98. O mini shopping possui três lojas: um com vestidos baratos, um com vestidos de preço mediano e outro com vestidos caros. Mas vou dizer uma coisa: os vestidos baratos não são assim tão baratos (porque lá encontrei vestidos de mil reais), ou seja, imagine os caros.
Mesmo assim, de longe, dá para ver que é uma das melhores lojas do Bom Retiro. Eles possuem muitos provadores, atendentes e vestidos dos mais variados gostos. Há até uma passarela com vários espelhos onde todas as mulheres podem desfilar com seus vestidos e se sentirem uma princesa, é realmente divertido! E as músicas que tocam no lugar são muito boas, aumentando a sensação de conforto. Mas, a loja tem seus pontos fracos, como eu disse, não tem muitos vestidos em conta, a maioria é realmente uma facada (ou uma estaca no peito) e não fazem ajustes, ou seja, você pode achar o vestido perfeito, mas se a barra está comprida, é melhor nem levar a não ser que realmente você queira gastar com posteriores ajustes. O que eu realmente acho um absurdo, afinal você já paga caro em um vestido e ainda não pode fazer ajustes neles? Fazê-lo é o mínimo de cortesia que devia ter a loja.
O que importa é que achei meu vestido! Quando a atendente pegou para mim, eu não gostei muito, mas quando vi no meu corpo, achei-o perfeito. O que aconteceu ao contrário com um vestido que vi no Shopping Aricanduva (outra dica de vestidos baratos, lá deve ter umas quatro lojas ou até mais de vestidos e super em conta! Uma vez perguntei para uma moça quanto custava um vestido curto e preto da vitrine e custava vinte reais, isso mesmo que você leu, vinte reais!), achei-o lindo na vitrine, mas horrível no meu corpo. Por isso sempre é bom experimentar antes de sair comprando. Vocês só vão descobrir qual o vestido que eu comprei no post depois do dia da minha formatura! Então aguardem. Antes de terminar o post, gostaria de falar de algumas tendências de vestidos que notei durante a minha busca.

Vestido Sereia: Foi o que mais as atendentes comentavam por ser realmente o vestido dessa temporada. Como vocês podem ver nas fotos abaixo, o vestido começa apertado até mais ou menos no joelho e depois aumentando até os pés, lembrando o rabo de uma sereia. Eu acho particularmente esse modelo um dos mais lindos!



Vestido Império: O vestido império, como podem ver nas fotos abaixo, fica marcado um pouco abaixo do busto, como se lá fosse a cintura e depois ele vem mais folgado. Ele é tão bonito para magras quanto para as mais cheinhas, acho que é uma boa forma até de esconder a barriga para quem tem ela um pouco avantajada.



Vestido Princesa: São aqueles vestidos mais bufantes, comumente usados em festas de 15 anos, mas que também podem ser usados em festas de formaturas. Se preferir, opte por um modelo mais maduro como o segundo, acho que quebra um pouco aquele ar de debutante.



Vestido Frente Única: Esse é bastante conhecido, é aquele vestido que as alças são amarradas atrás do pescoço e as costas aparecem. Ele não é aconselhável para mulheres com ombros largos porque eles ficam mais destacados, mas é muito bom para garotas com pouco busto.



Vestido Assimétrico: Ou seja, que não possuem simetria, geralmente possuem apenas uma alça ou uma manga, sua barra também pode mudar de tamanho dependendo do lado (nos modelos abaixo, você percebe que um lado da barra é diferente do outro).





Vestido Reto: Nem preciso especificar muito, não é? Basicamente são vestidos sem muito volume. Eles podem parecer sem-graças, mas há modelos, que com alguns detalhes, podem ser muito bonitos.




Vestidos curtos: É verdade que nem todo baile de formatura exige vestidos longos, por isso, também decidi colocar modelos curtos para vocês darem uma olhada. Alguns são tão chiques e bonitos quanto longos!









Espero que tenham gostado, e aí? Qual estilo de vestido você mais gosta?

O Diabo veste Prada


Não é nenhum segredo que sou absolutamente apaixonada pelo filme. Devo já ter assistido um milhão de vezes e sempre que perguntam para mim se há alguém que me inspira, sempre falo da temida e tão querida por mim, Miranda Priestly. Confesso que nunca fui muito ligada à moda até completar 15 anos e ser bombardeada por diversas informações em blogs. Em pouco tempo eu já sabia um bocado de coisas, mas menos do que sei sobre livros, escritores e literatura. Foi nessa época também que meu sonho de escritora passou a almejar um trabalho em uma revista de moda (ou simplesmente trabalhar escrevendo em alguma revista do meu interesse).
Foi então que eu recebi o livro O Diabo veste Prada da Editora Record naquele concurso de artes que eu ganhei. E tenho que concordar que não me decepcionei nem um pouquinho, apesar de não ter virado o meu livro favorito como aconteceu com o filme. A história é basicamente a mesma, sobre Andrea Sachs, que tem 23 anos e acabou de sair da faculdade e precisa procurar um emprego. Mal vestida e considerada gorda (apesar de fato ela não ser) ela entra na Runaway, a revista mais importante de moda, onde trabalhará como assistente da terrível Miranda Priestly.
Se você achava que Miranda era terrível no filme, digo que é melhor mudar de ideia, porque no mínimo ela pode ser considerada gentil. No livro, ela é mil vezes pior! Mil vezes! Ela não só é exigente, como dá para perceber que ela adora ferrar um pouquinho a vida das suas assistentes. Andrea praticamente vive só para sua chefe e como acontece também no filme, acaba se esquecendo de namorado, amigos e família. O que eu achei legal no livro, é que eles falam bastante da vida social de Andrea, como sua família e sua melhor amiga Lily. No filme, apenas mostra os amigos de relance e o que mais aparece é seu namorado Alex.
Lily é a amiga louquinha de Andrea, bebe demais e desde que foi traída pelo sei ex-namorado na faculdade, decide se envolver com homens apenas por prazer e não para se envolver. Alex, o namorado de Andrea, é um chato. Sério, eu já não gostava muito dele no filme e no livro ele não ganhou muitos pontos. Por mais que ele fosse classificado como adorável e gentil, achei-o o tempo todo um personagem sem-graça. Prefiro mil vezes Christian (para quem assistiu ao filme, vai se lembrar daquele loiro), pena que no livro ela não se envolve tanto com ele como aconteceu no filme (apesar de achar aquele ator tão sem-graça, no livro eu acho-o incrível!). Emily, a outra assistente (a ruiva), é bem mais gentil no livro, apesar do filme ter conseguido recriá-la seu jeito de forma bastante fiel.
A narração do livro é em primeira pessoa e quem conta a história é a própria Andrea. Ela não dá a mínima para moda e faz o tempo todo comentários ácidos sobre esse mundo classificado como fútil, deixando bem claro o quanto ODEIA seu trabalho e como só está fazendo isso para Miranda indicá-la para uma revista melhor, como o The New Yorker. Eu tenho que dizer que realmente o trabalho parece terrível, mas eu adoraria fazê-lo porque ele tem lá suas vantagens. Andrea ganha um monte de roupas caras, sem falar que vai a diversas festas e também vai a desfiles em Paris. Eu acho que talvez se a personagem fosse um pouco mais ligada a esse mundo, talvez mostrasse o lado mais doce de se trabalhar tão arduamente para uma chefa tão ruim quanto o diabo. Ou não.
O que eu quero dizer é que amei o livro! Ele é um prato cheio para quem gosta de moda, comédia e principalmente para alguém, como eu, que um dia sonha em trabalhar em uma revista e quer saber como tudo funciona. E para vocês terem uma ideia, Miranda Priestly foi inspirada em Anna Wintour, editora chefe da Vogue, para quem a e autora do livro trabalhou. Com um toque de realidade e um toque de glamour, O Diabo veste Prada é tão perfeito quanto o filme.

Para finalizar o post, vou deixar com vocês minhas músicas favoritas da trilha sonora, que é muito boa!


Madonna - Vogue


Alanis Morissette - Crazyy


Azure Ray - Sleep


Presentes de Natal

Sei que parece meio tarde esse post, mas é que não tive tempo para postar antes.

Make-up #1
Palheta de 120 cores de sombras


Brushes Sigma
Pincéis Sigma


Shorts


Rasteirinha Via Birigui


Bolsa Louis Vuitton


Blusas bordadas por uma amiga da minha mãe


Pulseira Shambala


Como podem ver, não ganhei nada da minha Wishlist de Natal, mas amei meus presentes! Antes que perguntem porque não ganhei livros é porque ainda não li todos que ganhei naquele Concurso de Arte (faltam 12 para ler ainda), sem falar nos da biblioteca que ainda estão comigo :P