Buquê pra quê?

A aula tinha acabado. Basta isso para o alarme soar em minha cabeça: “Rápido! Rápido! Corre para o metrô, é horário de pico!”. Então, eu tento disputar um dos quatro elevadores para chegar ao térreo e atravessar cinco quadras até chegar ao metrô. O problema é quando finalmente cheguei ao térreo havia uma concentração enorme de pessoas olhando para algo que estava na porta. Pensei que alguém tinha passado mal, ou que alguém tinha morrido ou que tinha algum famoso ali.


– O que está acontecendo? – perguntei a um amigo meu que estava próximo.
– Tem um garoto lá fora com um buquê enorme esperando a namorada.
Espichei-me um pouco e consegui dar uma olhada para comprovar se era isso mesmo ou ele estava tirando sarro da minha cara. E era verdade, havia um garoto como um buquê enorme, todo sem graça e feliz ao mesmo tempo, esperando a bendita chegar. E olha que praticamente o prédio inteiro já tinha descido e ela não.
A maioria das pessoas acharia isso bonitinho, mas não sou uma pessoa muito romântica. E sou menos ainda quando tem um buquê obstruindo a passagem para eu chegar ao metrô. Então, juntamente com minha amiga, atravessei aquele mar de gente fazendo várias pessoas olharem para uma de nós duas e se perguntar: “É ela? Será que é ela?”. Mas quando eu cheguei perto do garoto, só o contornei e caí fora.


Como as pessoas pensaram que a namorada chegaria
Como eu passei pela multidão

Lá fora estava pior ainda, sério. Nunca vi tanto espectador na minha vida. O prédio inteiro de comunicação estava ali tentando assistir a cena e eu só queria chegar ao metrô, era pedir demais? É claro que depois de um esforço, acabei conseguindo. Mas, como qualquer humano, fiquei com curiosidade de saber se tudo dera certo para o garoto, porque, com a demora da namorada tão esperada dele, vai ver ela nem estava no prédio.
As quartas, pelo menos na minha sala, é o dia da cervejada. Ou seja, algumas pessoas respondem a chamada da última aula e vão embora com um letreiro de DP brilhando na testa enquanto saem. Não sei se isso é só na minha turma, vai ver é um costume de todas. Então imaginem se a garota aderiu ao tal cervejada e está lá enquanto o namorado está em plena porta da faculdade tentando fazer uma homenagem? Tudo bem, talvez isso seja cruel da minha parte, mas pode acontecer.


Sem falar, que comecei a me questionar se isso acontecesse comigo o que eu faria? Tenho horror a demonstrações de afeto em público. Não entendo a necessidade de algumas pessoas de gritarem aos quatro cantos do mundo como ama tanto alguém. Do tipo que se pudesse, alugaria um avião e escreveria “Eu te amo” com fumaça no céu para todos verem. E não é só namorados. Na minha antiga escola, quando era o aniversário de algum aluno, tinha mãe que alugava aqueles carros de sons bregas ou mandava buquês gigantes. Tem gente que achava lindo esse tipo de coisa. Eu agradecia pelos meus pais serem normais.


Então, imagine eu novamente naquela multidão, chegando até meu amigo e perguntando:
– O que está acontecendo?
– Tem um garoto lá fora com um buquê enorme esperando a namorada.
– Nossa, quem é o babaca que está... Ah, não! É o meu namorado.


É claro que eu não seria cruel o suficiente para me esconder no banheiro e esperar que ele fosse embora (apesar de que pode acontecer, afinal, acho que já fiz isso em algum passado longínquo), então, eu teria que engolir toda a vergonha que me acometeria e seguiria em frente para acabar com aquilo logo de uma vez. É claro que aquela multidão iria aloprar, pedir beijos, gritar e toda aquela babaquice toda, mas eu tentaria ter o maior jogo de cintura e fazer nós dois cair fora dali o mais rápido possível. E é claro, que não poderia deixar de falar:
– Juro que se você fizer isso de novo, eu te mato.


Afinal, convenhamos, sou ou não sou uma pessoa realmente romântica?

10 Comentários:

  1. Caracas, que texto divertido. hahaha!
    Dasty na faculdade está sendo muito interessante. Sempre que você tiver situações deste tipo, não deixe de contar a história.
    Os gifs são demais. E que rapaz bonito no começo do post!

    ResponderExcluir
  2. Hm, tenho um pouquinho de vergonha alheia de demonstrações publicas de afeto demais, também.

    Na minha visão, pessoas que dizem "eu te amo" demais estão tentando se afirmar, são pessoas inseguras.

    Já disse o quanto eu acho seu layout lindo? *---*

    ;**

    http://qualquerlink.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. este post é bem legal, acho que eu também morreria de vergonha com uma situação dessa.

    Gostei do seu blog estou seguindo

    ResponderExcluir
  4. Dizendo o mesmo que a Sara ali em em cima.
    Acho que eu morreria de vergonha e por mas que não quisesse ir lá na frente, tentaria acabar com aquilo o mais rápido por possível. Mas acho que no futuro, olhando para essa situação no passado, iria da umas boas risadas (:

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkkkk, eu amei o texto, bom eu sou apaixonada por buque mas acho que essa coisas que chama a atenção de muita gente é ruim, algo mais reservado e com poucas pessoas fica mais fofo *-*
    www.devaneiosdeumagarota.com

    ResponderExcluir
  6. Haha, sua vida é uma comédia! Continue assim e valeu pelo coment no meu blog! =)

    ResponderExcluir
  7. aaahh eu ia achar super fofinho tb! hihihi
    mas entendo seu ponto de vista!
    bjs

    ResponderExcluir
  8. AH!eu sou romântica, mas acho que demostrações publicas de afeto do tipo gritar pros quatro ventos que gosta de mim muito ridiculas, acho que sussurrar para mim é muito maior do que isso.

    ResponderExcluir
  9. Não gente, não sou a pessoa mais romântica do universo, ok, até sou romântica, mas não sei demonstrar meus sentimentos, o faço do meu jeito e é um jeito quase tão imperceptível que nem eu namoraria comigo. Gosto muito de receber carinho e tudo o mais, mas declarações com direito à platéia eu deixo pra quem curte, sou tímida e "fria" demais pra isso, não saberia o que fazer e acho que daria um jeito de enfiar minha cara na blusa do condenado que - hipoteticamente - me ama. Simplesmente NÃO DÁ. Sou ótima atuando no papel de bestona, mas isso não quer dizer que eu goste de o fazer com frequência e na frente de muitas pessoas.
    Acho lindinho receber buquês, não vou mentir, mas de um modo singelo, nada muito extravagante, pelo amor de Deus. Amei o post, Dasty. *.*

    ResponderExcluir
  10. Ri muito com esse post, eu acredito que eu seja uma pessoa romântica, mas gosto de ser discreta e também odeio esse negócio de buquês ou carros de som. Seria muito melhor alguém chegar com uma caixa de bombom ou uma camiseta com uma estampa de algo que eu goste e etc do que um buquê. Sério, o que uma pessoa faz com um buquê? Pra mim o destino de um buquê vai ser o lixo em no máximo uma semana e eu não gostaria que algo que eu desse pra alguém que eu AMO fosse pro lixo tão rápido.

    ResponderExcluir