Twixt

Antes de escrever essa resenha, decidi procurar no Google outras opiniões em relação a esse filme. Todas que dei uma olhada falaram que ele é, literalmente, uma merda. Sinceramente, eu discordo. Não sei se é minha falta de habilidade em ser crítica em relação a filmes, ou se realmente tenho um gosto peculiar para isso, mas acabei gostando de Twixt.
O diretor dele é Francis Ford Coppola, o mesmo de O Poderoso Chefão. Já tentei assistir também esse famoso filme, mas não gostei. Pensei que teria um monte de tiros e famílias mafiosas em guerra, mas achei-o tão monótono. Sou mais Os Infiltrados de Martin Scorsese. De qualquer forma, é um diretor de nome, o que faz pensar que o filme será muito bom. Só que o negócio é que Coppola decidiu sair um pouco dos holofotes e fazer filmes de baixo orçamento, o que explica um pouco o declínio de seu trabalho.

A história de Twixt não é nada incrível. É sobre um escritor não muito famoso chamado Hall Baltimore, que vai para uma pequena cidade para divulgar seu novo livro. Ele é conhecido por escrever histórias de terror sobre bruxas. Lá ele acaba conhecendo o caricato xerife da cidade, Bobby LaGrange, que conta sobre uns assassinatos que estão acontecendo na cidade. Bobby também adora histórias de terror e convida Hall para escrever uma com ele sobre esses acontecimentos . Apesar de hesitar em aceitar, Hall começa a ter sonhos e visões sobre o passado da cidade que dão inspiração a ele para escrever um novo livro.
Hall é um escritor decadente, ele precisa arranjar dinheiro o mais rápido possível para sustentar sua mulher. Ele tinha uma filha que acabou morrendo em um acidente de barco e sua perda o atormenta o tempo todo. Quando ele chega a essa misteriosa e pequena cidade, de repente sente a necessidade de escrever algo diferente, pois está cansado de bruxaria. É quando ele começa a ter sonhos com uma garotinha chamada Virgínia (a linda da Elle Fanning) e também com Edgar Allan Poe (que curiosamente também já visitara essa cidade) que ele começa a ter ideias para o seu novo livro.
O enredo do filme é isso: uma mistura de realidade com os sonhos de Hall que vão se entrelaçando. É bastante confuso e você não entende tudo completamente quando chega ao final. Achei que nem todo o mistério da cidade foi resolvido e há algumas coisas sem relevância para a história. Por ser um filme de baixo orçamento, os efeitos especiais são bem trash, com direito a litros de sangue voando e cenas ao estilo de Sin City (tudo preto e branco e só o vermelho em realce).
Porém eu gostei dos cenários, da atmosfera sombria e também do detalhe das roupas do personagem e as maquiagens, principalmente a de Virginia e do gótico Flamingo. Falando nisso, uma das partes que mais gostei é sobre um acampamento de góticos que fica do outro lado do lago da cidade. Achei bastante burlesco, com direito a pirotecnia e garotas góticas.

Sangue bem tosco, mas legal
Percebi em outras resenhas que um dos pontos fracos apontado foi os diálogos, que eram maçantes. Novamente discordo. Gostei muito dos diálogos entre Edgar Allan Poe e Hall Baltimore, talvez pelo motivo de adorar ler e escrever consegui captar o que ambos queriam dizer sobre criar e finalizar uma história. É um processo trabalhoso. Não sei se os detalhes sobre a vida de Edgar Allan Poe no filme são verdadeiros, dei uma pesquisada e acho que são invenções baseadas em alguns pontos principais de sua vida e obra.

Achei que o mistério não foi bem trabalhado, ficou muita coisa aquém. E terminou de uma forma que você não entende muito o que era realidade e o que era sonho/ficção. Também achei que muitas coisas ficaram de lado ou não foram bem explicadas ou não tinha relevância. Um exemplo é o mistério do relógio, parecia que tinha importância e no final não tinha.
O filme não é o melhor que vi na vida, mas como adoro esses filmes trash e sombrios, como Repo! The Opera Genetic, acabei gostando muito. Então, não indico para qualquer um. Indico para quem gosta de Edgar Allan Poe, Sin City, filmes trash e mórbidos.
 

6 Comentários:

  1. Não curto filmes nesse estilo... Sério que vc não gostou de O Poderoso Chefão? Amoamo aquele filme! O que mais curto é observar as relações de respeito/poder e o contraste entre as gerações (Don Vito valoriza a honra, enquanto Don Michael o dinheiro)...

    ResponderExcluir
  2. Não gosto de filmes deste estilo e o trailer não me ganhou. Os pontos negativos são bem marcantes, que você citou, mas só por não ser maçanete 'daria para ver'. Mas enfim, quem sabe um dia?
    De qualquer forma, sua crítica está ótima, você sabe como pesar os lados. Beijos <3

    Chel Lima
    http://corujando.org

    ResponderExcluir
  3. ooi (:
    Eu não sou muito chegada em filmes trash, então nem animei assistir :S, KKK
    Beijos :*
    Rhania,
    http://mgarotas.com

    ResponderExcluir
  4. Hum...
    filmes trash podem ser muito bons.

    ei, você tem o link pra baixar suicide room. eu tentei por aquele mas não tá dando. tem que ter algum programa??

    bjus

    ResponderExcluir
  5. Sou meio preconceituosa em relação a trash, mas em geral a sua resenha ficou boa. Fez com que desse vontade de ver. ;)

    ResponderExcluir
  6. Eu nem cheguei a baixar. Com aquele seu link do post eu não consegui. Tem q tem programa pra baixar daquele site?

    Tem algum outro link?

    ResponderExcluir