Sem face

A fogueira crepitava sinistramente enquanto uma dúzia de crianças se empoleirava ao redor dela. Cada um olhando para o rosto do outro pintado por sombras e labaredas alaranjadas, esperando que alguém falasse e acabasse com aquele silêncio constrangedor.

– Tudo bem, é a minha vez – disse uma menina no canto. Quem prestasse atenção poderia notar que ela estava esperando ansiosamente por isso, mas apenas mascarou aquilo como um fardo – A última história não foi tão boa assim, apesar de vocês estarem com uma cara terrível.

– Que história você vai contar? – perguntou uma garota de forma temerosa, segurando sua trança com receio.

– Não se apresse – ela sorriu astutamente – Não tem um nome para ela, você apenas precisar ouvir.

Eu ouvi essa história há muito tempo. Aconteceu exatamente nessa cidade onde estamos, só que em uma época diferente, muito antes de qualquer um de nós nascer. Contava-se que naquela casa grande perto da praça morou uma das jovens mais bonitas que já se ouviram falar ou se ousaram a ver. Todos os homens da cidade, desde os mais novos até os mais velhos, tinham uma grande admiração por ela. Não demorou a se espalhar a notícia sobre sua beleza e vários homens de outras cidades vieram vê-la e confirmar.
Seu nome era Lavínia e ela pertencia a uma família rica daqui. Todos os dias vários homens se reuniam na frente da casa dela para vê-la sair e ela recebia milhares de propostas de casamentos e presentes. Mas ela não dava atenção a nenhum deles. Depois de várias tentativas e de diversas opções, ela acabou se apaixonando por um homem rico, um senhor de várias terras. Só que ele era casado.
Quando esse senhor descobriu o interesse dela após várias investidas, não teve dúvidas, abandonou sua esposa e foi correndo para os braços de Lavínia. Ao descobrir o ocorrido, a mulher caiu em uma depressão profunda. Trancou-se em seu quarto e ficou dias ali definhando, mas alimentando seu ódio. Até que um dia ela decidiu se vingar.
A mulher foi até a casa de Lavínia quando ninguém mais estava lá. Lavínia não sabia quem era a ex-mulher de seu futuro noivo, por isso, acabou deixando-a entrar pensando se tratar de uma nova vizinha que veio conhecê-la. Ela trouxe até uma torta como símbolo de amizade entre as duas. O que Lavínia não sabia era que a torta estava cheio de uma substância que a faria adormecer.
Quando esta desmaiou, a esposa amargurada não teve dúvidas no que fazer. Pegou um facão que trouxera e furou os dois olhos azuis da moça adormecida e depois arrancou-lhe a pele do rosto até deixá-la totalmente irreconhecível e sem nada que lembrasse a beleza de outrora. Antes de partir, ela sumiu com qualquer evidência, inclusive com o rosto da moça.
Acharam Lavínia no dia seguinte, totalmente desfigurada e morta. A dose que havia na torta acabou dando uma overdose e ela morreu antes de mostrar a todos o seu novo rosto. Enquanto isso, do outro lado da cidade, a esposa estava satisfeita, ainda mais ao saber da morte dela. Ela arrumou a casa inteira e decidiu preparar as melhores comidas para quando seu marido voltasse, inclusive uma torta.
Porém, quando retirou a torta do forno, esta desmoronou do prato para sua surpresa. Algo que nunca tinha acontecido antes já que ela sempre acertara essa receita. Quando decidiu verificar o estado da torta internamente, acabou achando um olho azul mirando seu rosto como um juiz mirando um acusado. Ela deu um grito e jogou a torta no lixo. Suas mãos tremiam e seu coração parecia que iria sair pela garganta. Só podia ser uma miragem. Seu cérebro estava pregando uma peça por ela ter feito algo ruim. Ela precisa descansar, com certeza, era isso.
A mulher passou pelo corredor em direção as escadas que levariam ao seu quarto. Só que no caminho havia um espelho oval e ao olhar para ele, em um vislumbre ela viu seu rosto. Ou melhor, não havia rosto e sim uma massa sanguinolenta igual ao que deixara em Lavínia. O terror tomou conta dela e ela voltou para verificar seu reflexo, mas estava normal, era seu rosto e não um deformado. Ela tentou se acalmar, com certeza ela estava cansada demais. Tudo que ela precisava era dormir e esquecer o ocorrido. Logo seu marido chegaria, retornaria para os seus braços.
Então, ela foi até o seu quarto. Quando abriu a porta, havia uma sombra sentada em sua cama. Seu rosto encheu-se de felicidade, só podia ser seu marido! Mas quando a sombra levantou-se e encaminhou-se até onde estava, ela percebeu que era Lavínia. Seu rosto estava como ela deixara quando fugira de sua casa. Porém ela não estava morta, parecia estar vivíssima. O pavor tomou conta dela quando viu uma faca em sua mão, refletindo seu rosto.
A única coisa que seus vizinhos ouviram foi um grito agudo. Quando foram verificar na casa, encontraram a mulher morta, com seu rosto disforme. Ela não foi a última. Dezenas de moças morreram da mesma forma e logo pensaram que devia ser a obra de algum psicopata ambulante. Porém o que ninguém sabia era que isso era obra do espírito de Lavínia, procurando seu rosto e arrancando de outras moças para verificar se era o seu. E isso acontece até hoje.

Quando ela terminou, ficou satisfeita ao ver pavor nos rostos deles. Mas eram os rostos femininos que mais pareciam estar morrendo de medo.

– Isso é mentira, não é? – perguntou uma garota ruiva, com sardas pelo rosto.

– Claro que não, estou contando a verdade!

– É que você veio com essa de que aconteceu aqui. É sempre assim, só para dar medo.

– E o objetivo de contar histórias de terror é qual? – ela respondeu brava, levantando-se – Quer saber? Vou ao banheiro. Enquanto isso, vocês que fiquem com a mulher sem face.

A garota que contou a história foi em direção à floresta que havia perto, enquanto todos continuaram ao redor da fogueira, olhando-a crepitar. Eles estavam passando as férias em um sítio e decidiram acampar longe da casa onde estavam hospedados. Eles adoraram a ideia no início, mas agora não parecia tão convidativa.

De repente ouviram um grito. Decididamente era da sua amiga que acabara de sair. Todos ficaram em pânico, imaginando se ela fora pega pela tal mulher sem face. Os meninos decidiram se dividir, uns iriam ficar protegendo as garotas na fogueira, outros iam atrás da amiga para verem se estava tudo bem.

– Mariana? – gritavam eles, procurando-a no meio das árvores – Mariana? Você está aí?

Ouviram um barulho em um canto e uma sombra. Havia alguém ali. Engoliram seco e decidiram ir em frente para descobrir o que se tratava. Quando se aproximaram, viram que era Mariana de costas.

– Mariana? – perguntou um de forma temerosa.

Ela não respondeu. Então ele se encaminhou até ela, colocou sua mão em seu ombro e a virou. Seu rosto estava totalmente desfigurado e sanguinolento. No lugar dos seus olhos havia buracos escuros. Todos eles gritaram e foram caindo um sobre o outro enquanto tentavam fugir. Foi então que ouviram uma risada.

– Não acredito que vocês caíram nessa! – Mariana exclamou, rindo deles e retirando a máscara disforme do seu rosto – Foi tão fácil que pensei que não conseguiria!

– Você é maluca? Você quase matou a gente do coração! Está todo mundo preocupado com você!
– Desculpa – ela disse continuando a rir, mas não parecendo muito arrependida – Vamos voltar para o acampamento! Preciso contar isso para eles!

Ainda emburrados pelo acontecido, eles seguiram Mariana de volta ao acampamento. Quando se aproximaram da fogueira, notaram que mais ninguém estava sentada ao redor dela.

– Será que eles foram para as cabanas? – perguntou um dos garotos.

Porém, quando se aproximaram mais, na verdade, viram que todos estavam deitados no chão. As chamas iluminavam diversos rostos deformados e sanguinolentos, tanto das garotas quanto dos garotos. Os que sobraram gritaram.

Obs: FELIZ HALLOWEEN!

5 Comentários:

  1. Que assutador D:
    ]Adoreia história e HAPPY HALLOWEEN q

    ResponderExcluir
  2. Menina que maldade u.u Não é um bom conto para ler anoite não HAHA
    Happy Halloween pra ti também O/

    Beijos,
    Pepper Lipstick

    ResponderExcluir
  3. MEU DEUS DO CÉU, QUE NEGÓCIO TENSO! Hahahahah! Ainda bem que li agora, às dez da manhã. Sacanagem, Dasty!

    P.s. amei o layout! Muito, muito lindo! <3

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Que dumal, Dasty! HAUHAUAUHUAHUHA adoreeeeeeei *-* mtmtmtmt foda <3
    FELIZ HALLOWEEEEN (atrasado, oi)
    Adorei, parabéns *-*

    ResponderExcluir
  5. Sensacional, Dasty.=P

    Por coincidência eu assisti Smiley ontem. Não tem muito a ver, fora a parte de não ter rosto. Huahuahua

    ResponderExcluir