Projeto 21 - Parte 3

Mais uma semana e a mais difícil de todas em minha opinião. Enrolei ao máximo alguns temas e quase perdi alguns dias por conta do que fotografar ou como fotografar. Mesmo assim, achei que foi bastante divertido. Minha foto da primeira semana não foi para a semifinal, mas novamente outra foi escolhida, então vote, por favor. Segue o link, é a 4ª foto, com o nome de 3 coisas.
Socks
19) Meia
Não pensei duas vezes. Quando vi que o tema era meia, tratei de tirar foto das minhas de vaquinha haha Minha mãe comprou para mim para combinar com meu pijama que tem o mesmo tema. Se alguém quiser saber, os dois foram comprados na Puket. 

Fish face
20) Careta
Decididamente não sou muito boa com caretas, aí decidi fazer o Fish face. Dá para quebrar um galho. 

Where is my mind?
21) Vazio
O tema mais difícil de todos! Quase perdi o dia de enviar a foto porque não tinha ideia. Mais difícil do que ter a ideia foi fazer também o que eu queria. Tenho que agradecer a minha mãe e meu avô por me ajudarem. Meu avô segurou uma folha branca na frente do espelho e minha mãe fotografou. Tivemos que tirar várias fotos até uma dar certo. Ficou bom até!

Open the door
22) Porta
Essa porta é da casa do meu avô (que parece um castelinho). Sou apaixonada por essa porta por causa da aldrava de leão ♥ Uma vez vi uns meninos da minha rua falando que acham a casa do meu avô mal assombrada e concordo com eles haha Mesmo assim, é um lugar mágico, cheio de coisas antigas. Não parece que ao atravessá-la vamos para uma realidade alternativa?

Yellow house
23) Amarelo
Outra tema que achei super difícil! Essa é uma foto da minha casa na chácara e ela é amarela. Tenho faz um tempo no computador. Acabei enviando outras duas fotos (essa e essa) que tenho aqui porque achei que os outros concorrentes tinham fotos muito boas.

Hair ♥
24) Cabelo
Por último, meu tema favorito ♥ Estou apaixonada por essa foto, pelo penteado e pelo meu cabelo haha É um penteado suuuuuuper simples, se quiser eu ensino no blog. É uma espécie de rabo-de-cavalo invertido. Depois finalizei com baby liss para os cachinhos ficarem mais definidos.

Falta a foto do dia de hoje (25), mas eu só vou postar semana que vem porque ainda não tirei (pode enviar a foto até 3 dias depois). Nessa semana acaba o Projeto 21! Espero que eu consiga ir para a final com pelo menos uma foto! E aí? O que acharam das fotos dessa semana?

Amigo Secreto Blogueiro


Natal chegando, a época exige um pouco mais de aproximação, de união e afeto entre as pessoas. Devemos deixar as diferença de lado e começar a se importar mais com os outros. Blá blá blá. Vamos ao que interessa: eu decididamente não sou fã de amigos secretos, por que:

a) Meu amigo secreto, na maioria das vezes, é uma pessoa que nunca falei na vida e não sei absolutamente nada sobre ela;

b) Geralmente sou a amiga secreta de uma pessoa que também nunca falou comigo;

c) Os presentes que ganho geralmente não gosto.

Mesmo assim, achei que seria legal fazer um amigo secreto entre blogueiros, não parece ser algo complicado e podemos acabar conhecendo uns aos outros, sem falar na divulgação que um blog pode fazer do outro.

O presente? Será basicamente um post dedicado a pessoa que você pegou no sorteio. Pode ser um texto, um poema, um desenho, um vídeo, usem a criatividade! No final irei linkar quem tirou quem e os determinados posts.

Como faz para participar? Basta colocar seu nome, e-mail, nome do blog e link do blog no formulário no fim da postagem.

Como será feito o sorteio? Através do site Amigosecreto.com.br. Eu vou enviar o convite para vocês se cadastrarem por e-mail. Quando todos estiverem no grupo, o site fará o sorteio e então vocês descobrirão quem tirou. Não sei se o site envia o seu amigo secreto no seu próprio perfil ou no seu e-mail, mas qualquer coisa mando um e-mail avisando vocês.

Até quando posso participar? Até o dia 6 de Dezembro. Vou fazer um post com todos os participantes (nomes e respectivos blogs).

Quando será o sorteio? Dia 12 de Dezembro.

Quais são as datas que devo fazer o post? Do dia 25 de Dezembro até o dia 31 do mesmo mês.

Quais blogs podem participar? De preferência blogs com posts que tenham gostos pessoais. Não precisa ser blogs pessoais, pode ser, por exemplo, um blog literário, desde que dê para saber seus gostos (Ex: ela gosta de ler chick-lit e assistir séries americanas de comédia).

E se eu estiver viajando? Basta fazer o post no blogger e programar para que publique na data permitida.

E se eu não quiser mais participar? Avise-me que tiro do grupo. Porém, depois do sorteio, evite ao máximo abandonar, porque será muito chato se uma pessoa não receber seu presente.

E se eu não saber nada da pessoa sorteada? Você receberá o link do blog da pessoa, através dele que você terá acesso há várias informações. É uma ótima forma de conhecer novos blogueiros.

Depois de postado o texto, faço o quê? Envie para mim por e-mail (dastysama@gmail.com), vou fazer um post com todos os textos.

Posso convidar amigos blogueiros? Pode sim. Quanto mais pessoas, mais divertido!

INSCRIÇÕES ENCERRADAS

Acho que consegui sanar a maioria das dúvidas, porém, se ainda tiver uma, deixe um comentário ou mande-me um e-mail!

Ah, PARTICIPEM! Sério, acho que vai ser super legal! :D

Projeto 21 - Parte 2

Passou-se mais uma semana! Mais uma semana correndo contra o tempo para publicar as fotos, porque foi realmente muito corrido. Algumas fotos tirei nos dias certos, outras demorei um pouquinho mais, o importante é que consegui enviar todas. Se você não viu as fotos da semana anterior, basta clicar aqui. Vamos lá!
3 things
11) 3 coisas
O tema era muito simples, fotografar três coisas independente da ligação que elas tinham ou o que significavam para você. As coisas que escolhi foram minha boina vermelha, minha câmera olympus analógica e o livro que estou lendo atualmente (Amor nos Tempos do Cólera - Gabriel García Márquez). A boina tem um significado grande para mim porque sempre fui louca por uma e demorou anos para consegui-la. Ela simboliza sonhos. A câmera analógica simboliza não só meu gosto enorme por coisas antigas como também meu novo hobbie, que é fotografar. O livro simboliza o amor que tenho pela literatura e também pela escrita.

I'm grateful
12) Algo pelo qual você é grato
Obviamente a primeira coisa que veio à minha cabeça foi minha família. Porém, seria muito trabalhoso juntar todo mundo para tirar uma foto, ainda mais em plena segunda que foi o dia mais corrido de todos. Então decidi que uma fotografia antiga podia simbolizar a mesma coisa de agora.

Candy Mess
13) Bagunça
Essa foto foi tirada segunda-feira e sem a menor ideia de que podia ser usada no dia posterior. Nesse dia eu estava fazendo um trabalhão na faculdade, chamada Sala Sensorial (vou fazer um post sobre isso depois). Depois que descobri que o tema era bagunça, achei que não existia foto melhor. Nela mostra todos os doces que usamos na apresentação antes de arrumarmos.

Cold
14) Frio
Foto da minha pessoa sem lentes \o/ A última que eu tirei e acho decente foi essa. Foi mais preguiça do que por qualquer outra. Eu prefiro minha pessoa com lentes, porém, não me acho ruim sem elas. Como o tema é frio, vesti minha boininha, mais um casaco, cachecol e uma xícara simbolizando algo quente. 

Poça
15) Poça
Imagine que você se depara com um tema desses justamente em um dia que não chovera nada. Por sorte eu tinha tirado essa foto no dia do tema Aconteceu Hoje, porque queria fazer uma foto que simbolizasse que hoje choveu. Porém, acabei usando a foto das sapatilhas e deixei essa guardadinha sem saber que iria usá-la posteriormente. Ela me serviu muito bem porque decididamente não haveria uma chance de tirar fotos de poças. Não achei-a incrível, mas é o que tinha. 

No chão
16) No chão
Na hora que eu vi meu gato deitado perto da janela decidi que dava uma ótima foto. Ela ficou melhor do que o esperado quando notei as luzes incidindo nele. Só que parece o contrário, não é? Como se a alma dele tivesse indo embora, algo meio religioso, sobrenatural, sei lá. 

Heart
17) Coração
Decididamente é a foto da semana que mais gostei. Como o tema era coração, decidi dar destaque a um colar que tenho e gosto muito. Lembra um pouco aquele do Titanic, não é? Só muda a cor. Achei bem poético haha

Tea time!
18) Caneca
Depois de tirar várias fotos com canecas, nada mais justo do que ter um tema exclusivamente para elas. Tirei várias e foi muito difícil escolher só uma! Apesar dela estar junto com o bule, adorei essa foto vista de cima.

Gente, queria pedir um favor para vocês. A cada semana, sete fotos são escolhidas desse concurso para a semi-final. Ou seja, 4 fotos vão para a final e o vencedor levará uma câmera Aquapix (uma analógica que tira fotos embaixo da água!). O da primeira semana foi escolhida minha foto do Reflexo (é a 3ª) e gostaria de pedir que votassem e me ajudassem a ir para a final. Segue o link. Agradeço muito ♥
Se eu não passar para a final, ainda há 3 semanas para conseguir!

Dumb ways to die



Dumb ways to die é uma campanha criada para a Metro Trains, uma ferroviária Australiana, que fala sobre  acidentes nas estações. Com um design fofo, divertido e com uma pitada de humor negro, a campanha apresenta uma música viciante com o tema Maneiras Idiotas de se Morrer. Se vai funcionar, não se sabe, mas vale a pena conferir a musiquinha.

Eles também possuem um site interativo e baseado no clipe da música, que fala um pouco sobre a campanha e os cuidados que você deve tomar nas estações.

A blusa azul


Era um daqueles dias qualquer. Daquele que não acontece nada interessante e a vida continua seguindo seu rumo sem interrupção ou obstáculos. Ela já estava acostumada a ir para a faculdade com o conjunto básico mais perfeito que existe: blusa qualquer, calça jeans qualquer e tênis qualquer. Porém, aquele dia foi diferente, ela conseguiu achar uma blusa azul clara mágica cheia de pedrinhas brancas que parecia ter saído de um sonho luminoso, que combinou perfeitamente com uma calça branca e sapatilhas.

Quando se olhou no espelho achou que aquela era a melhor combinação que fizera em dias. Azul era uma cor que combinava com ela. Então partiu para aquele cotidiano monótono que às vezes presenteava com alguma surpresinha cá e acolá.

Estava para começar a segunda aula e atravessou a faculdade até chegar ao seu prédio, porém, foi parada por alguns caras na porta. Não, não eram assaltantes, nem perigosos. Estava tendo uma votação qualquer, para um objetivo qualquer da faculdade. Vários estudantes estavam engajados naquilo e eles apenas queriam convencê-la a votar neles. Ela não tinha tempo para isso. Tentou entrar no prédio, mas foi pega por um discurso e um dos rapazes fez questão de acompanhá-la até a fila da votação. E ela deixou ser levada pelo marasmo. Não fazia ideia de quem votar, mas já que estava lá e teria que fazê-lo, por que não saber das propostas?

Então, ela reparou nele. Conhecia-o desde o começo do ano, mas o vira poucas vezes pelo campus. Pensou que o rapaz bem poderia conversar com ela sobre suas propostas em vez dos outros que estavam aporrinhando sua paciência. E como, em um passe de mágica aconteceu. Quando ele notou que um adversário estava falando com aquela garota estranha de azul, tratou de fazer sua parte para convencê-la.

Foi uma surpresa quando ele apareceu. E a única coisa que ela conseguia pensar era em sua puta sorte. Justamente hoje decidira vir mais arrumada. Justamente hoje não estava com o cabelo preso e ele estava cheio de cachinhos feitos pela piranha que acabara de tirar fazia uns quinze minutos. E ela não conseguia prestar atenção em absolutamente nada que ele falava. Mentira! Ela prestou sim, ouviu o suficiente para se sentir convencida de que deveria votar no que diabos ele pedisse.

“Pergunta o nome dele”, disse o lado racional do cérebro dela.
“Tem o nome dele no papel para votar em seu grupo, é só caçá-lo em qualquer rede social”, rebateu o lado do cérebro que se achava espertinho.
“O que custa perguntar o nome dele? Você vai ter que caçar 500 nomes nesse papel”.
“Não vai ser tão difícil, deve ser um dos primeiros. Você está falando com uma stalker profissional”.
“Pergunta a porra do nome logo”.

Ela não perguntou. Porque obviamente ela ouviu o lado errado do cérebro. Ela não perguntou absolutamente nada sobre ele, nada. Porque gente burra é assim, acha que uma coisa legal acontece uma vez e irá acontecer milhares de vezes. Mas, tudo bem, estava confiante, ia achá-lo em qualquer uma dessas redes sociais inúteis. Todo mundo tem rede social hoje em dia.

Não importa em quem votou, porque quem se lembra em votação depois de uma coisa dessas? Ela só sabia que quando chegasse em casa ia caçá-lo, ou ela iria sujar seu status de stalker profissional que acha qualquer pessoa possível nesse mar profundo de nomes e anônimos. E o fez. E não o achou. Tentou todos os nomes daquele papel. Nada. Era impossível que isso estivesse acontecendo, porque ela achara todos os amigos dele e até uns parentes. Só devia haver uma explicação: ele não tinha rede social. HAHAHA que piada! Quem não tem rede social hoje em dia? Como ele se comunica? Por telégrafo? Pombo-correio? Carta?

Então, ele não tinha rede social. Mesmo. E a história acaba aqui.

Tudo culpa da blusa azul.

Moral da história: Não importa quanta sorte pareça que você está tendo, é só brincadeira do azar mesmo. Aceite o fato de que a Lei de Murphy adora tirar com sua cara.

Obs: Convenhamos, os dois não dariam certo de qualquer maneira. Ainda bem que não sou eu nessa história. É.

Projeto 21


Sempre fui louca para participar desses projetos fotográficos em que você fica um mês inteiro tirando fotos, porém sempre pegava-os na metade ou não tinha muita disposição. Desde que comprei minha câmera profissional, a vontade de tirar fotos aumentou e tenho que dizer que tudo ficou mais fácil. Antes dela só gostava de tirar fotos quando viajava para o interior por causa das paisagens, do espaço e da luz natural. Minha casa não é muito iluminada e tem um maldito quadro ou móvel em todas as paredes. Isso não mudou, mas a câmera me ajudou a ver tudo de uma forma nova. Lugares que não achava tão legais, agora acho. A luz também não é mais um problema.

Por acaso acabei conhecendo o Projeto 21 exatamente quando começou, no primeiro dia de Novembro. Não pensei duas vezes e decidi participar. Vou confessar que não tiro fotos todos os dias, algumas já tirei faz um tempinho, outras eu tiro com antecedência, outras eu tiro dentre os limites estipulados (cada tema você tem até três dias para enviar a foto). Então até agora não deixei de enviar nenhuma por mais que alguns temas exijam mais. Vou mostrar para vocês o dessa semana!

Music is my boyfriend

1) Algo que faz todos os dias
Desde que ganhei uma guitarra, tenho me empenhado a aprender alguma coisa nela. E está difícil! Sério, eu pensei que por eu tocar piano por um tempo meus dedos seriam mais maleáveis, mas acho que perdi o jeito.  Sem falar que ainda preciso comprar um amplificador. A diversão fica no treino mesmo (apesar de que dá para usar as caixinhas de som do computador). Ano que vem pretendo fazer aulas de violão, acho mais fácil começar por ele.

5 hours

2) Cinco Horas
Não tive como pensar na Hora do Chá, foi meio involuntário. Achei que tirar foto do relógio marcando esse horário era meio sem-graça.

Reflexo

3) Reflexo
Meu cabelo cresceu, em? Faz onze meses que não corto-o e ele cresceu 15 centímetros. Não usei nenhum desses milagres capilares que prometem um crescimento rápido, meu cabelo sempre foi apressadinho. Quero deixá-lo crescer até abaixo da cintura. Como o tema era reflexo, logo a montagem da foto veio à minha cabeça.

I ♥ Cats

4) Uma coisa favorita
Gatos! Gosto de cachorros também, mas tenho um amor muito grande por gatos. São fofos e gordos! Tirei foto do Robb e seus olhos gigantes.

Last purchase

5) Última coisa comprada
Não tenho certeza, mas acho que foi minha câmera mesmo. Sem falar que sempre fui louca para tirar uma fotos dessas com a câmera em frente do rosto. Coisa de novato em fotografia.

Praça da Sé

6) Paisagem
Um dos temas mais difíceis, porque, convenhamos, eu moro em São Paulo e nossa paisagem não é tão incrível como alguma do interior ou do litoral. Mas é claro que tem lugares muito legais e fotogênicos para tirar fotos. Essa foto eu já tirei faz tempo e é na Praça da Sé, mas simplesmente adoro-a. Achei que era a foto que eu tinha mais próxima do tema proposto.

Aconteceu Hoje

7) Aconteceu Hoje
Outro tema difícil! Sério, não aconteceu nada de novo no meu dia que eu achasse digno de ser lembrado. Ou melhor, até aconteceu, mas não saí com câmera para tirar foto. Então, decidi tirar foto das minhas sapatilhas brilhantes, pelo motivo de que NUNCA vou com elas na faculdade porque machucam meu pé. Decidi ir, mas coloquei mil esparadrapos no meu pé em locais estratégicos e, para minha surpresa, elas ficaram bem confortáveis. Ou seja, agora estou in love com sapatilhas!

Chandelier

8) Claro
Tirei essa foto uns dias antes do tema, sem perceber e planejar. É o lustre da casa do meu avô e acho lindíssimo! Gosto muito de coisas antigas e lá tem várias coisas assim.

Goat's beard

9) Natural
Foto que tirei faaaz tempo! Quando saiu o tema logo associei a algumas fotos que tinha tirado anos antes. Essa planta chama Barba de Bode. É um nome engraçado, mas acho tão lindinha e diferente.

Cosmopolitan

10) Fim de semana
Só consigo pensar em um fim de semana atulhado de trabalhos e correria. Então decidi enviar uma foto que faz um tempo que tirei. Essa bebida se chama Cosmopolitan, ela é alcoólica, mas ela é doce! O barman até coloca açúcar em volta do copo. Sempre tive vontade de prová-la depois de ter lido sobre ela no primeiro livro da série Gossip Girl. É considerada uma bebida feminina e mesmo que não pareça na foto, ela é rosa.

Essas foram as fotos da primeira semana. Ainda tem mais três pela frente! Conforme for chegando os fins de semanas, vou postando. E aí? O que acharam das que tirei até agora?

Marina

Sou meio suspeita para falar desse livro, pelo simples fato de que Carlos Ruiz Zafón é meu escritor favorito de literatura estrangeira. Tive o prazer de ler A Sombra do Vento e O Jogo do Anjo e me apaixonei pelo seu jeito de escrever. Às vezes eu não sei se sou eu que devoro os livros dele, ou eles que me devoram. Com Marina aconteceu a mesma coisa.

O livro não é muito comprido em comparação a outros desse escritor, porém, achei a história tão densa e complexa, que me pareceu que ela era bem maior do que aparentava ser. E isso não dificulta a leitura, na verdade faz com que você queira ler mais e mais. A narração de Zafón é detalhista, mas não daquela forma maçante, na verdade ele fala de detalhes que nós costumamos esquecer, como por exemplo, as marcas de calçados que deixamos no chão de uma casa empoeirada. São detalhes que fazem toda a diferença e é impossível não imaginarmos um filme em nossas cabeças.

A história é sobre Óscar Drai, um garoto de quinze anos que vive enfunado em um internato católico, já que seus pais parecem não ligar muito para o garoto. Sua maior diversão é andar pelas ruas de Barcelona e ficar olhando para antigos casarões. É justamente um desses que chama sua atenção. Ao adentrá-lo, ele ouve uma mulher com voz lindíssima cantando e descobre que vem de um gramofone. Ao lado deste, havia um relógio antigo e quebrado. De repente ele é surpreendido com a presença de um homem e sai correndo, levando o relógio consigo. Passam-se alguns dias e ele decide voltar ao casarão para devolver o relógio, pois sentia culpado. Antes de entrar, Óscar acaba conhecendo Marina, a filha do dono do relógio. É a partir desse encontro que eles tornam-se melhores amigos e Óscar passa a conhecer o significado de ter uma família.
Porém, Marina acaba tendo a ideia de seguir uma mulher de preto que sempre visita o cemitério na mesma data e no mesmo horário. Os dois, cheios de curiosidade, acabam entrando em um caminho sem volta, onde um mistério macabro está enterrado nas ruas de Barcelona.

Quando comprei Marina, não fazia ideia do que se tratava a história. Comprei confiando no escritor. A ideia inicial que eu tinha era que se trava de um garoto e uma garota e que possivelmente falaria de uma amizade forte que ia se construindo ao decorrer do livro. Nisso eu não estava errada. O que me surpreendeu foi o mistério abordado na trama. Eu decididamente não esperava algo como aquilo. Juro para vocês, não sei se Marina pode ser caracterizado como terror, mas eu morri de medo quando lia o livro de madrugada. É de tirar o fôlego.

Não importa quantos livros eu leia de Zafón, eu sempre vou ser surpreendida. Quando eu penso que o final não vai ter nada de sobrenatural, tem. Quando eu penso que vai ter um final sobrenatural, não tem. E quando penso que pode ser um dos dois, não é nenhum, ou uma mistura de ambos.

Além da narração que gosto muito, é impossível você não se apegar aos personagens, que ou são cativantes ou são bizarros. O livro é contado em primeira pessoa e por Óscar. Isso faz com que conheçamos os pensamentos dele, mas quase não sabemos sobre sua família ou a história de sua vida. As poucas coisas que se sabe é sobre o internato. Mesmo assim, somos tragados para vida de um garoto de quinze anos cativante. Um tanto bobo, mas também sagaz, ele não só cria um laço de amizade muito forte com Marina, como também acaba se apaixonando por ela.

Quanto a Marina, no começo e no decorrer da história, não entendia o porquê do título ter o nome dela. Foi só no final que compreendi. Foi ela que fez uma tremenda mudança na vida do Óscar. Por mais que haja grande enfoque no mistério, foi ela que começou com tudo. E é ela que ganha grande destaque no final. Marina é uma personagem peculiar. Enquanto Óscar é um tanto bobo e sentimental, ela é inteligente e mais racional. Parece que quanto mais o garoto se aproxima dela, mais ela se afasta dele. No começo parece ser um capricho, mas aos poucos vai se descobrindo um pouco mais sobre aquela garota reclusa.

Outro personagem digno de ser lembrado é o pai de Marina, Gérman. Os dois passam a ser a segunda família de Óscar após aquele incidente. Gérman no passado fora um grande pintor que agora está acometido por uma doença e parece ter poucos dias de vida. Gentil e inteligente, foi ele que ensinou tudo que sabe a Marina e também passa ensinar algumas coisas a Óscar.

Quanto ao mistério, tenho que dizer que apesar de incrível, achei que se ele existisse ou não, o livro teria o mesmo rumo. Querendo ou não, o livro ainda fala sobre amizade e como construí-la. Colocando o mistério, Zafón apenas criou uma maneira de fortalecê-la. Ele poderia escrever sobre qualquer coisa que o começo e o final seriam os mesmos. Talvez esse seja o ponto fraco, não achei muita ligação entre o mistério e a história de Marina e Óscar.

E, falando de final, preparem as lágrimas. Lendo o prólogo eu já senti que isso aconteceria. Confesso que só não chorei porque estava no ônibus e todo mundo iria me achar louca, porém o livro deixou-me mexida pelo resto do dia. É por essas e outras que Zafón é meu favorito. Tudo nele acho diferente, mágico e bizarro. Se eu pudesse escolher um jeito de escrever, seria o dele. Não pensaria nem duas vezes.

50 Books 50 Covers

Quem nunca ouviu a famosa frase "Não julgue um livro pela capa?". Nós, amantes de livros, sabemos muito bem disso. Alguns livros tem uma arte gráfica tão linda que nos conquista ao primeiro olhar. Talvez no decepcionemos com a história, mas vale a pena ter um livro desses na estante. Às vezes nos surpreendemos com livros incríveis que tem capas sem-graças. É sempre uma aventura, nós não sabemos se confiamos no Designer ou no Escritor. O bom mesmo é quando ambos são bons.

Pensando nisso, o Design Observer está fazendo uma competição para descobrir quais são as melhores capas de 2012 e também a melhor diagramação, o projeto chama 50 Books 50 Covers.
São várias capas lindíssimas e bastante diferentes do que vemos por aí, por isso, decidi escolher minhas favoritas.




Alguns dos livros tanto as capas quanto a diagramação estão concorrendo a prêmios. Outros apenas pela capa ou pela diagramação. Uma das diagramações que gostei foi o livro Branca de Neve.


Vale a pena dar uma conferida no site e ver os outros concorrentes. É de encher os olhos tanto para leitores/escritores quanto para designers.