Os melhores de Setembro


Livro: A Menina Submersa
Além da capa e diagramação maravilhosa, o livro possui uma história que realmente faz você se sentir submerso. Acompanhamos a personagem Imp, que possui esquizofrenia, e seus pensamentos sem sentido que se confundem com a realidade. Você não sabe se o que lê é real, ou se faz parte da loucura da personagem. A sensação é que você está lendo um diário há muito tempo esquecido.

Música: Dinasty - MIIA
GENTE QUE MÚSICA MARAVILHOSA. QUE MÚSICA FORTE. MIIA é uma cantora norueguesa - aparentemente ela já é conhecida por lá - e lançou esse single viciante. Ela ficou famosinha após um cover que fez de Elastic Heart da Sia. A música fala sobre o término de um namoro, associando a uma dinastia, a qual ela pensou que não podia ser destruída. A música é super emocionante e já está no meu repeat faz dias. O único ponto negativo é alguns efeitos que achei exagerados. Para ouvir, clique aqui.
Made it through the maze
You found my one in a million
And now you're just a page torn from the story I'm building
-
Feito através de um labirinto
Você me encontrou em um milhão
E agora você é apenas uma página virada na história que eu estava construindo

Filme: Que horas ela volta?
Sim, esse filme é absolutamente tudo que foi falado até agora na televisão e na internet: incrível. É realmente um tapa na cara, faz a gente se questionar a relação empregada/patroa e o preconceito que existe entre classes sociais. A direção de arte é linda e Regina Casé atua muito bem como a personagem Val. Vale muito a pena assistir. Se não ganhar o Oscar, pelo menos ganhou meu coração hahaha

Série: Scream Queens
Uma mistura de Meninas Malvadas com Todo Mundo em Pânico. Já imaginava que fosse trash, mas é MUITO TRASH. Mesmo assim, amei cada episódio que saiu até agora. É uma série bem diferente e vale dar uma chance se você quer rir muito - e olha que eu não gosto de comédia.

Instagram: @oh.carol

Além de ilustradora e de postar desenhos maravilhosos com seu estilo singular, Carol mora no Japão. O que já é o suficiente para eu passar o dia inteiro vendo as fotos dela. Adoro o efeito vintage rosado que ela usa e os ângulos que ela pega de várias paisagens do Japão e de coisas fofas. É muita invejinha.


Inspirações

Obs: Era para esse post sair mais cedo, mas é óbvio que eu me atrasei. Admira-me de eu não postar no final de Outubro.

A Casa de Florence Welch


Uma das minha cantoras favoritas definitivamente é Florence Welch. Lembro que tinha um pouco de preconceito com o hype que ela teve logo que surgiu e não via muita graça no jeito "espalhafatoso" dela, mas bastou ouvir algumas músicas para ficar totalmente viciada. Com um estilo bastante exótico - hippie mística renascentista com uma pitada de dark -, Florence não só criou músicas incríveis cheias de simbolismos, como também passou um pouco disso para seus videoclipes e sua forma de vestir. Apesar de seu último álbum, o maravilhoso How Big, How Blue, How Beautiful, ser bem mais pé no chão, ainda é possível se encantar com suas letras e com a força de suas melodias.
Também não é segredo que seu cabelo foi uma das minhas inspirações quando quis ficar ruiva. Se a personalidade dela etérea também viesse com um tubo de tinta, ficaria muito feliz.
Mas se já acho tudo dela incrível, imagine o apartamento! Em um vídeo, Florence apresenta vários detalhes do seu lar doce lar, mostrando que essas decorações minimalistas não estão com nada. Sua bagunça pessoal tem um quê de mágico, casa da vó, com um gostinho de conforto. Dá vontade de fuçar em todas as gavetas, folhear os livros, abrir os armários e absorver cada detalhe da vida dela.
 


O banheiro da casa dela é inspirado na Frida Kahlo. Por mais que pareça um caos, dá para ver que cada cômodo foi pensado para atender seus gostos e mostrar personalidade.



Uma das coisas que mais gostei foi seu jardim pessoal. Dá para ver que é um lugar muito importante, onde ela passa o tempo descansando e em contato com a natureza. Acho que o jardim é bem menor do que aparenta, mas só de ter um tão lindo e mágico desses, já vale a pena.


Ela também mostra o closet dela que é maravilhoso! É cheio de roupas bem a cara dela. Vale a pena conferir o vídeo e servir de inspiração. Às vezes vemos tantos quartos bonitos no Pinterest, Tumblr, entre outros sites, daqueles que parecem impossíveis da gente ter e manter organizado, sendo que o que importa mesmo é ter um lugar que nos faça se sentir bem. Bagunça também é vida! ♥

Índice X


No começo desse ano eu fui convidada para fazer parte da equipe do blog/vlog literário Índice X. Já conhecia alguns dos integrantes e fiquei super feliz por me convidarem, afinal eu sentia muita falta de escrever e blogar novamente. Graças a essa oportunidade, li livros incríveis que gostaria de compartilhar com vocês, já que antigamente minhas resenhas eram postadas aqui.


     
  • Do que é feita uma garota - Caitlin Moran
Um dos melhores livros que li esse ano. Foi uma agradável surpresa, porque nunca tinha visto ou ouvido falar sobre ele. A história é contada pelo ponto de vista de Johanna Morrigan, uma garota de 14 anos dos anos 90, que escreve e fala absolutamente tudo que vem a cabeça, o que torna tudo mais insanamente engraçado. O livro fala sobre o despertar da adolescência, amadurecimento e viver novas experiências. Para quem gosta de música, é legal para entender como era o cenário musical em Londres nos anos 90. Para saber mais.

  • Americanah - Chimamanda Ngozi Adichie
Uma das escritoras mais faladas no cenário feminista. Chimamamnda nos apresenta a história sensacional de Ifemelu, uma estudante nigeriana que vai para os Estados Unidos para se formar na universidade, deixando sua família e o amor de sua vida, Obinze. Em contrapartida, temos também o ponto de vista de Obinze, que vai para a Inglaterra. Por mais que seja um romance, ele é plano de fundo em uma história que fala sobre questões raciais e sociais. Outra coisa legal é que Ifemelu tem um blog, no qual vários dos seus textos são apresentados no livro, mostrando sua opinião forte e ácida. Para saber mais.

  • A Lista - Cecelia Ahern
Pensei que fosse aqueles romancezinhos água com açúcar e não tinha grandes expectativas. Mas o livro é super gracinha e tem aquelas histórias de aquecer o coração. É sobre uma jornalista chamada Kitty Logan, que comete um erro e acusa um professor de abusar de suas alunas. Isso faz com que ela perca seu emprego na televisão e está prestes a perder também seu emprego na revista Etcetera. A dona da revista, sua melhor amiga, acaba morrendo e deixando uma lista misteriosa com 100 nomes. Kitty precisa descobrir a relação entre elas e fazer, quem sabe, a maior matéria da sua vida. Para saber mais.

  • O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares - Ransom Riggs
Tinha lido várias resenhas falando mal do livro, então minhas expectativas estavam lá embaixo. A verdade é que a história não é de terror - por mais que a capa e a diagramação faça parecer que sim -, mas é fantástica! O personagem principal é Jacob, um garoto de 16 anos, que viveu a vida inteira ouvindo as histórias mirabolantes de seu avô. Após este morrer de forma suspeita e terrível, Jacob decide voltar para o lugar onde seu avô morou na infância para descobrir mais sobre seu passado. Para saber mais.

  • Hibisco Roxo - Chimamanda Ngozi Adichie
Mais um livro da Chimamanda (ainda vou ler todos dela!). É uma história triste, mas extremamente cativante. Lembrou um pouquinho da minha infância e senti-me muito acolhida pelas histórias e personagem. A personagem principal é uma menina chamada Kambili, de classe média-alta, que conta o seu dia-a-dia e como é sua família. Seu pai, é um religioso fanático, se por um lado bom e filantrópico, do outro é um pai sádico. A visão de Kambili sobre o mundo muda quando ela vai visitar sua tia, uma professora universitária, e seus primos, que são curiosos e questionadores. Para saber mais.


Espero que vocês gostem dessas dicas de livros! Seja para enriquecer ou apenas para passar o tempo, ler faz uma verdadeira mudança na nossa vida. E vocês? Que livros andaram lendo?

Cartas a T. A.

Imagem original de Ari Bakker
Querido Te Aro,

Venho por meio desta tentar dizer o que não foi dito no momento certo. Talvez, a verdade seja que não havia palavras nem momento. Talvez nunca haja, mas escrever é tão mais simples. Falar exige que as palavras não se percam pela língua. Mesmo assim, confesso, sem jeito, que as palavras também estão me escapando pelos dedos.
Lembra-se da vez que lhe contei a primeira impressão que tive ao te conhecer? O que eu pensei quando te vi pela primeira vez? Disse que tinha achado-o bonito. Mas não foi apenas isso. Lembro como se fosse ontem, mas pensei: "Bonito, mas não faz meu tipo". E durante todo esse tempo, mesmo depois de tudo, eu estava certa. Você nunca fez meu tipo.
Mas também estava completamente errada. Estava errada em tentar classificar as pessoas de acordo com meus gostos e expectativas. Sempre dizia para mim mesmas que não queria um relacionamento de Facebook, que se bastava em um status e algumas fotos bonitinhas. Como fui educada por livros e filmes que apresentavam personagens espetaculares e romances fora do comum, queria alguém que abalasse minhas estruturas e me fizesse ver o mundo de outra forma. E você abalou minhas estruturas, você foi um terremoto em minha vida. Não como o de Kobe que destruiu o estúdio de Satoshi Kon e o impediu de fazer uma versão live-action de Perfect Blue. Mas um terremoto forte o suficiente para me fazer sair da minha zona de conforto, sair da minha casa e temer por mim mesma. Um terremoto que destruiu pré-conceitos, dúvidas e questionamentos. O tipo de terremoto que quando você volta para casa, nunca mais é o mesmo.
E depois de você, eu nunca mais fui a mesma. Eu consigo encontrar dor e poesia em tudo. Você injetou emoções em uma pessoa fria e calculista. Você me fez querer aproveitar cada segundo que eu passava do seu lado. Qualquer mensagem sensorial que você mandava, sua voz, seu cheiro, seu olhar, seu toque, seu gosto eram absorvidos. Porque eu sabia que eu ia perdê-lo.
Querido Te Aro, antes de tudo você me parecia a pessoa que menos hesitaria diante de uma situação. Você parecia ter sempre um contra-ataque. Mas na luta que foi nosso pequeno e curto relacionamento, quem sempre contra-atacou fui eu. Não tive medo nenhum. Não tive medo de me ferir. Não tive medo de errar. Fiz o que precisava ser feito, mesmo no final sendo eu a que mais se machucou. Quando algo acaba, normalmente pergunta-se o que se fez de errado. Perguntei-me isso poucas vezes, porque fiz o máximo que pude.
Mesmo assim, a única coisa que me arrependo é de não ter conseguido atravessar as barreiras que você colocou em volta de si. As barreiras que eu vagamente conseguia vislumbrar quando olhava em seus olhos e via suas dores. Essas dores que você escondia por trás de um sorriso enorme e pela sua força de vontade de sempre continuar. Porque mesmo triste, você era a pessoa mais feliz que já conheci. Eu queria ser a pessoa que saberia de todos segredos e suas frustrações, porque sou uma colecionadora de lágrimas. Mas agradeço por algumas de suas confissões, elas me fizeram entender quem você era.
Querido Te Aro, não sei se realmente tudo acabou para nós. Mas eu agradeço por tudo que aconteceu. Agradeço por ter me permitido conhecê-lo. Vou sentir falta do que fomos em cada pedacinho dessa cidade cinza em que estivemos. Vou sentir falta da forma que você me olhava. Vou sentir falta da pessoa que eu era antes de você. A pessoa que eu nem mais lembro como era, pois ela se perdeu nesse transbordar de emoções que agora tomou seu lugar.
Querido Te Aro, acho que te amei. Foi a única coisa que não consegui dizer.



Obs: Te Aro na língua maori significa "O Enfrentamento". Também é uma cidade da Nova Zelândia. Esse nome não foi escolhido ao acaso.

Spleen Juice está de volta!

Antes tarde do que nunca, não? Já faz mais de um ano que não escrevo aqui e sinto-me enferrujada. Não só parei de escrever, como também me afastei bastante da blogosfera. Acessava poucos blogs e acompanhava algumas blogueiras mais pelo Facebook delas. Mas seria mentira dizer que não senti falta daqui e de escrever. Precisava apenas de um tempo para me dedicar a outras coisas e também voltar a ter inspiração. Um ano é pouca coisa, mas ao mesmo tempo muita. Quantas coisas mudaram! É engraçado olhar posts antigos e ver como mudei. Não só em aparência, mas em gostos e ideias. Mas tanta mudança vou deixar para outros posts...
Uma das coisas que mais queria mudar aqui era o layout, porque o antigo não estava me agradando mais. Por mais que eu sempre fizesse os layouts e ficasse horas quebrando a cabeça com o html, nunca ficava realmente do jeito que eu queria, então decidi pagar pela programação. Meu forte é ser designer, não webdesigner, então precisava de alguém que transformasse o layout que eu criei em realidade. Foi aí que entrou o InLove Design! Espero que tenham gostado. O design mais comum, que ando vendo em layouts de blog é a utilização de aquarela ou algo mais minimalista. Confesso que de tanto acessar blogs com essa mesma cara, decidi fazer algo diferente. 
Espero que vocês gostem dessa nova fase do Spleen Juice tanto quanto eu. Ainda não sei muito bem que caminho ele irá tomar, só sei que terei que redescobrir a mim mesma e essa nova fase.