Já acabou, 2015?

Já estamos quase na metade de janeiro de 2016. Protelei bastante e pensei em deixar para lá, mas a verdade é que 2015 foi um ano tão importante para mim, que preciso escrever sobre ele como um recado do passado para o meu futuro. Tipo aquele diário adolescente que a gente relê e dá uma vergonha, mas uma nostalgia gostosinha.
2015 começou péssimo. Com o prenúncio que seria um dos piores anos da minha vida. Tentei sufocar o desespero, mas sentia o medo corroer meus ossos ao ter que enfrentar um ano tão difícil. Mas, pelo contrário, tudo acabou dando certo e pude respirar em paz.

Consegui o meu primeiro emprego e finalmente senti aquele gostinho de “agora estou no mercado”. Realizei aquele sonho de adolescência de trabalhar na redação de uma revista. Lembro-me dos meus trabalhos da escola em que eu adorava fazer revistas manuais. Sempre tive o sonho de trabalhar fazendo o que eu gosto e em um lugar legal. Normalmente essa é uma utopia da geração Y, que todo mundo insiste em falar que nunca vai se realizar. Mas estou aqui para provar que é possível. Trabalho em um lugar inspirador com pessoas inspiradoras. Também fui convidada para escrever no blog Índice X e meu repertório literário sensacional de 2015 se deve a isso.

Em fevereiro, depois de ficar um ano treinando, finalmente debutei no Taiko (dança com tambores japoneses). Foi um momento mágico poder apresentar e sentir a energia das músicas. Participei de outra apresentação em julho usando o Kurokin (se eu não me engano é esse o nome), que é uma faixa na cabeça e na cintura em cores douradas e preto, muito importante. O único problema é que infelizmente não consegui me dedicar ao Taiko no resto do ano. Aconteceu muita coisa e tempo foi o que menos me sobrou.

Em março fui ao Lollapalooza, um festival que eu torcia o nariz porque nunca achei graça em pagar caro para ver várias bandas – preferia pagar para ver apenas minha banda favorita. Mas foi tão incrível que em 2016 preciso ir nos dois dias!

Em maio realizei uma vontade que tinha desde os 15 anos: pintar meu cabelo de ruivo. Pensei que daria a maior trabalheira, mas me acostumei com a atenção redobrada que agora tenho que dar ao meu cabelo e não me vejo com outra cor.

Em junho realizei o sonho de participar do Bunomai. Para quem não sabe é uma apresentação de dança japonesa com movimentos de Karatê e Kobudo (arte marcial com armas). Eu assistia as apresentações da equipe do meu dojo de Karatê e achava lindo. Consegui ingressar com muita dificuldade, porque é realmente muito difícil. Me superei várias vezes, mas ainda tenho muito que aprender e melhorar.

Em agosto escrevi minha primeira matéria em uma revista de arquitetura, sobre Tóquio. Se há algo que adoro escrever e pesquisar é sobre o Japão. Também fui ao show da minha banda favorita, Tokio Hotel e vi-os de pertinho.

Em novembro teve o festival que mais amo na vida: Okinawa Festival. Fico o ano inteiro esperando por esses dois dias. Como vivencio bastante da cultura okinawana, é muito emocionante poder assistir as apresentações e também participar delas. Apresentei Karatê e Bunomai. Teve o show também da banda japonesa e okinawana Begin. Não é uma banda conhecida para quem não convive com cultura japonesa, mas para mim, foi realmente emocionante e lindo.

Em dezembro apresentei o meu TCC e tiramos nota máxima! Depois de ficar o ano inteiro em um sufoco, tudo deu certo no final e hoje sou publicitária. Vou guardar no coração os quatro anos que passei nos corredores do Mackenzie, as pessoas incríveis e de mente aberta que conversei e fiz amizades e todo o ensinamento que aprendi.

Por ter descoberto no final do ano que eu estava com pré-diabetes (decididamente esse ano não foi muito bom no quesito saúde), entrei na academia. Dediquei-me mais ao meu corpo e mostrei que posso ser mais forte do que aparento. Também mudei minha alimentação, diminuí o consumo de carboidratos e açúcar. Em quatro meses perdi seis quilos! Estou até magra demais haha

E teve muito mais. Graças às meninas com quem trabalho, fui a muitos eventos, conheci restaurantes incríveis e lugares diferentes. No quesito amor: que ano! Quebrei corações, tive o coração quebrado, amadureci muito, destruí meus paradigmas, me permiti amar. Juntando isso mais a responsabilidade do trabalho, posso dizer que 2015 foi o ano do amadurecimento para mim.

Quando olho para trás, para aquela menina insegura e tímida do começo de 2015, não consigo acreditar no que ela se tornou no final deste ano. Sou uma pessoa muito mais forte e confiante. Tenho mais vontade de lutar pelas coisas que acredito e pelos meus sonhos. Não sei se 2016 vai ser tão bom quanto 2015, mas, se depender de mim, farei muitas coisas acontecerem. Que venham 12 meses maravilhosos!


6 Comentários:

  1. Acho bacana fazer esse balanço do ano que passou ~ especialmente para a gente poder relembrar tudo com carinho depois! Que 2016 seja um ano lindo para você. :)

    http://naomemandeflores.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Camila! Desejo o mesmo para você :D

      Excluir
  2. Eu tenho que falar: adorei conhecer seu blog e ler um balanço do seu ano, que foi incrível mesmo!^^
    Tbm fui no Festival Okinawa, no domingo, só pra ver Begin, haha. Achei que o show ficou devendo um pouquinho em relação às músicas mais tradicionais deles, pq teve muita música abrasileirada, e embora eu tenha achado legal toda a integração,queria ter ouvido outras T_T Mesmo assim foi muito legal! *0*
    Eu estou começando a estagiar agora, e confesso que estou com um pouquinho de medo, mas ler o seu post me deu forças! Espero tbm descobrir e conseguir trabalhar com o que amo!
    Te desejo muito sucesso nesse ano que ainda está no comecinho!~

    https://lemonteaplease.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Bianca! Eu fui nos dois dias do show do Begin. Achei o primeiro dia mais abrasileirado hahaha
      Vai com fé no estágio, você vai aprender bastante! O mais importante é você fazer o que gosta :D

      Excluir
  3. Que ano cheio! Que gostoso! E principalmente que bom que seus sonhos profissionais estão se concretizando!
    Eu na verdade achei que o cabelo ruivo ia dar mais trabalho, mas tirando a maldita raiz crescendo meu cabelo aguenta bem o tranco! Mas a vontade de voltar pro rosa é enorme!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! O único problema é a raiz, mas gosto muito de ruivo. Amava seu cabelo rosa hahaha

      Excluir